Operação de fiscalização do Procon Estadual autua cinco supermercados

Fiscais descartaram 26kg de produtos impróprios ao consumo

Enviado Direto da Redação
Fiscais descartaram 26kg de produtos impróprios ao consumo

Fiscais descartaram 26kg de produtos impróprios ao consumo

Foto: Divulgação

O Procon Estadual do Rio de Janeiro, autarquia vinculada à Secretaria de Estado Desenvolvimento Econômico, realizou nesta quinta-feira (21/05) uma ação de fiscalização em oito estabelecimentos nas Zonas Norte e Oeste do Rio para apurar as denúncias. Das oito filiais de supermercados fiscalizadas, cinco foram autuadas e 26kg de produtos impróprios ao consumo foram descartados. A ação é uma sequência das operações que a fiscalização vem realizando em supermercados para apurar denúncias de aumento abusivo de preços de produtos alimentícios como arroz, feijão e ovos, e de produtos de higiene como álcool gel e álcool 70º líquido. Além disso, os fiscais também verificam eventuais irregularidades na manipulação e armazenamento de alimentos, problemas estruturais e condições de higiene e de distanciamento recomendadas durante a pandemia de Covid-19.


Os fiscais descartaram produtos vencidos (22,5 quilos de salsichão e salsicha)em uma filial da rede Supermarket de Campo Grande e quatro quilos de muçarela fora do prazo de validade em uma loja do Guanabara de Bangu. Além disso, no Supermarket, não havia caixa preferencial com o espaçamento adequado para cadeirantes. Em uma filial do Campeão (Rede Unno) de Campo Grande não havia balança de precisão disponível para os clientes pesarem os produtos e nem banheiro com pia, sabonete e papel toalha, conforme decreto do Governador Wilson Witzel para o combate ao coronavírus. Essas três lojas e a filial do Prezunic do Pechincha foram autuadas pela constatação de problemas estruturais como ferrugem nas câmeras frigoríficas, ralos não sifonados e pisos irregulares. Os quatro estabelecimentos terão que apresentar documentação referente aos preços praticados nos últimos meses por não ter sido possível fazer a comparação  das notas fiscais no momento da vistoria.


Outro supermercado autuado foi o Campeão (Rede Unno) da Abolição, onde os fiscais verificaram que havia diferença entre o valor do serviço de moeção de um tipo de carne para o outro (R$3,00 para moer o acém e R$ 5,00 para moer a alcatra) o que demonstra cobrança manifestadamente excessiva, já que se trata do mesmo serviço.


Apesar de nas lojas dos supermercados Guanabara de Bonsucesso, Supermaket da Ilha do Governador e Mundial da Praça da Bandeira não terem sido constatados problemas estruturais ou com os cuidados de higiene e de regras de distanciamento, eles têm 48 horas para apresentar as notas fiscais de compra e venda dos produtos a partir de fevereiro de 2020 para que seja apurada a eventual abusividade dos preços praticados.

Veja também