Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,0950 Euro up 5,2474
Search

Foto mostra necrotério de hospital com cadáveres acumulados; prefeitura acusa funerária

A Prefeitura de Duque de Caxias, responsável pela unidade de saúde, confirmou a informação

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 26 de abril de 2020 - 12:00
Imagem ilustrativa da imagem Foto mostra necrotério de hospital com cadáveres acumulados; prefeitura acusa funerária

O necrotério do Hospital Municipal Moacyr Rodrigues do Carmo, estava lotado de corpos, na manhã desse sábado (25). As imagens, que circulam nas redes sociais, mostram diversos cadáveres acumulados no local. A Prefeitura de Duque de Caxias, responsável pela unidade de saúde, confirmou a informação e acusou a funerária da cidade de negligência. As informações foram divulgadas pelo O DIA.

“Estamos vendo a covardia da funerária dando preferência a quem paga preços exorbitantes por sepultamento, deixando de lado aquelas famílias que não tem dinheiro”, afirmou o prefeito Washington Reis, em vídeo divulgado nas redes sociais.

Pelo menos 12 corpos estavam no corredor próximo ao necrotério, que tem capacidade total para 25 cadáveres e fica no subsolo da unidade médica. Segundo a administração municipal, todos os cadáveres são de vítimas da Covid-19. Os corpos seriam de pessoas cujas famílias não têm condições de arcar com o sepultamento.

A Prefeitura emitiu nota acusando a AG-R de negligência:

"Graças a um contrato obtido de maneira irresponsável, na gestão do ex-prefeito Zito, a empresa comete crimes de sonegação fiscal, de desrespeito ao meio ambiente e, o que é pior, trata a morte dos cidadãos com desprezo, aumentando o sofrimento dos caxienses que precisam se despedir dos seus entes queridos".

Após as denúncias, a empresa AG-R, administradora dos cemitérios públicos de Duque de Caxias, esclareceu que a citada retirada dos corpos foi solicitada pela prefeitura e “que a empresa imediatamente enviou veículos para fazer as remoções”.

Sobre as gratuidades, a empresa afirma que estão previstas em contrato e confirmadas por TAC celebrado entre a Prefeitura, a Câmara de Vereadores de Duque de Caxias, o Ministério Público e a AG-R.

Empresa acusa Prefeitura de fake news

Na nota, a AG-R também afirmou que a Prefeitura está tentando denegrir a imagem da empresa. Veja a nota na íntegra.

"Neste momento, as 15h53 de 25/04/2020, o necrotério do referido hospital está vazio, conforme fotos e vídeo em anexo (estas foram feitas pelos nossos funcionários que estavam no local fazendo as remoções).

Como o vídeo comprova, ao contrário das fotos distribuídas pela prefeitura, que são de janeiro de 2019, não tinham corpos na área para serem retirados. Não encontramos nenhum parente dos supostos falecidos para reconhecimento de corpos. A empresa esteve no local no período da manhã e retornou a tarde e não haviam corpos a serem retirados.

A AG-R esclarece ainda que não é um órgão da prefeitura. As gratuidades estão previstas em contrato e confirmadas por TAC celebrado entre a Prefeitura, a Câmara de Vereadores de Duque de Caxias, o Ministério Público e a AG-R, que mesmo dando apoio à prefeitura precisa ser avisada das necessidades de retirada do hospital.

Resta clara a intenção da prefeitura em manchar a imagem da empresa que está tomando as providências que deveriam ser tomadas pela administração pública, tais como investimento que fizemos em container frigorífico para guardar separadamente os corpos com suspeita ou confirmação de morte por COVID-19.

Devido à inércia da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias a AG-R está seguindo a risca as determinações dos órgãos estaduais e federais.

A incompetência da administração municipal está tentando denegrir a imagem de uma empresa séria com montagens e FAKE NEWS!

A empresa cumpre rigorosamente as leis ambientais, possui todas as licenças. Lembramos que quem está condenado a mais de sete anos pelo colegiado do STF por crime ambiental é o Prefeito Washington Reis.

A empresa está em dia com todas as obrigações fiscais e acaba de ganhar um processo com liminar contra a prefeitura".

Matérias Relacionadas