Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,0741 Euro down 5,2058
Search

Prefeitura do Rio vai usar tabletes para mediar visitas em hospital de campanha

Cada paciente terá dez minutos para interagir com parentes e amigos

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 22 de abril de 2020 - 08:38
Cada paciente terá dez minutos para interagir com parentes e amigos
Cada paciente terá dez minutos para interagir com parentes e amigos -

A Prefeitura do Rio vai usar a tecnologia para humanizar e diminuir a separação entre familiares e pessoas internadas com Covid-19. Por meio de tablets, o hospital de campanha do Riocentro encurtará essa distância, provocada pelo isolamento, com videochamadas. A visita virtual será mais uma aliada no tratamento desses pacientes com o novo coronavírus.

" A Prefeitura está desenvolvendo uma tecnologia nova de relacionamento envolvendo médicos e pacientes", disse o prefeito Marcelo Crivella.

"Já temos oito equipamentos que vão entrar em operação junto com o hospital. Sabemos que o isolamento provoca um drama enorme entre as famílias. Nossa intenção é que cada cinco tablets atendam 30 leitos, em média", afirma Júlio Urdangarin, presidente da IplanRio, a Empresa Municipal de Informática da Prefeitura. 

Júlio informou que a meta é obter mais 70 tablets para uso das pessoas internadas no hospital de campanha. Ele explicou que cada paciente terá dez minutos para interagir com parentes e amigos, conforme exemplo de sucesso colocado em prática em hospitais da Itália e do Rio Grande do Sul.

" O sistema de comunicação, que, segundo especialistas, auxilia até mesmo na recuperação do doente e evita ainda mais a propagação do vírus, é simples. O paciente poderá falar com até quatro pessoas de uma vez", completou Júlio.

Visitas virtuais até a pacientes em UTI, se médico autorizar

A visita virtual também poderá ser estendida à UTI, mas somente com autorização médica, dependendo do estado de saúde de cada paciente. Apoiados em tripés, os tablets poderão ser deslocados facilmente entre os leitos.

Para a psicóloga, psicanalista e terapeuta familiar Márcia Modesto, a iniciativa da Prefeitura pode até ajudar na recuperação do paciente. 

- Não nascemos para viver sozinhos. Então, num momento em que a pessoa está fragilizada por uma doença, é primordial ter contato, de alguma forma, com outro alguém que tenha importância para ela. Seja da forma que for, o contato humano é necessário, saudável e pode ajudar, sim, na recuperação da saúde - garante Márcia.

Todos os leitos monitorados por câmeras

O secretário de Infraestrutura, Habitação e Conservação (SMIHC), Sebastião Bruno, ressaltou que toda a rede de informática do hospital de campanha está instalada. Ao todo, 90 câmeras estão espalhadas estrategicamente, com rede de wi-fi e banda larga, para monitorar os leitos. 

Os equipamentos possibilitarão que médicos e enfermeiros, de onde estiverem, acompanhem os pacientes, até por meio de smartphones, com a possibilidade de videoconferências entre os profissionais, por exemplo.

- Estamos fazendo um esforço enorme, que, certamente, será muito compensador - assegura Sebastião.

Para construir a rede, foram utilizados 18 km de cabos. Dos quatro mezaninos já existentes, três funcionarão como sala de descanso para médicos e enfermeiros. Todo equipamento médico e pessoal será fornecido pela Secretaria Municipal de Saúde.

O hospital

A prefeitura do Rio investiu, inicialmente, cerca de R$ 10 milhões na construção do hospital de campanha, incluindo o sistema de informática, fora o valor destinado à operação e manutenção. A construção do hospital envolveu o trabalho diário de 160 funcionários, divididos em dois turnos.

Com 16,5 mil metros quadrados de pavilhão e 13 mil metros quadrados de área construída, o hospital de campanha é a maior unidade de saúde da rede pública de todo o estado. São 500 leitos destinados a pacientes com o novo coronavírus, sendo 400 de clínica médica e 100 de UTI.

Matérias Relacionadas