Oficial da Marinha que comanda navio com 250 tripulantes testa positivo para coronavírus

Oficial Imediato também testou positivo

Enviado Direto da Redação
Oficial Imediato também testou positivo

Oficial Imediato também testou positivo

Foto: Divulgação

Dois oficiais da Marinha do Brasil, que prestam serviço no navio Almirante Saboia (G25), atracado na Ilha do Mocanguê, no Rio, testaram positivo para o novo coronavírus. Em nota divulgada nesta quarta-feira (25), a Marinha informou que os militares foram afastados de seus cargos e estão em quarentena domiciliar.

Segundo informações da Marinha, os oficiais infectados são o Comandante e o Imediato do navio. Após a informação do contágio, a Marinha informou que iniciou "medidas de descontaminação no navio foram realizadas por meio da Companhia de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica da MB, à semelhança do procedimento adotado para os demais navios em operação".

Ainda segundo a Marinha, "todos os militares da tripulação estão sendo monitorados, de acordo com os protocolos previstos". Contudo, de acordo com informações obtidas por O São Gonçalo, seguem trabalhando.

Atualmente, segundo fontes, há cerca de 250 pessoas que prestam serviço no citado navio.

De acordo com denúncias chegadas ao Jornal O São Gonçalo, há, ao menos, mais 33 casos suspeitos o navio. Ainda segundo denúncias, todos os outros navios, que ficam próximos do Almirante Saboia, continuam com seu expediente normal, sem que haja nenhum tipo de proteção aos militares.

Em nota, a Marinha do Brasil informou "que além do Comandante e Imediato, três outros tripulantes do mesmo Navio tiveram os testes para COVID-19 realizados, sendo que dois indicaram negativo e aguarda o resultado para o terceiro. Todos estão sendo mantidos em isolamento e monitorados, de acordo com os protocolos previstos. Além desses casos, em caráter preventivo, trinta e seis militares tiveram recomendação de isolamento domiciliar, por apresentarem algum tipo de sintoma respiratório, ainda que leves. Cabe ressaltar que este número, correspondente a cerca de 15% de sua tripulação, não compromete a capacidade operacional do Navio."


Na mesma nota, a Marinha informou que "quanto ao expediente nas organizações militares subordinadas ao Comando em Chefe da Esquadra, várias medidas vêm sendo adotadas para evitar aglomerações de pessoal, como o licenciamento diário de parte da tripulação; a ampliação do horário de refeições, permitindo a divisão dos comensais em grupos menores e a reprogramação de cursos ou sua realização na modalidade de ensino à distância.

Veja também