Saiba como administrar as contas e evitar 'ficar no vermelho' em 2020

Veja dicas de como controlar bem o dinheiro no começo do ano

Enviado Direto da Redação
Um dos principais passos é saber quanto você ganha e quanto você gasta por mês

Um dos principais passos é saber quanto você ganha e quanto você gasta por mês

Foto: Divulgação

Por Daniel Magalhães*


Mais um ano começou e, com o espírito de mudança e renovação, este é um bom momento para reavaliar os gastos e fechar um pouco mais a mão, sobretudo em um período em que surgem gastos bem altos, como a compra de material escolar, matrícula dos filhos na escola, seguro obrigatório, IPTU, IPVA e muitas outras dívidas. Mas para conter os gastos e conseguir se equilibrar na corda bamba das finanças é preciso se organizar desde já para que tudo não se transforme em um grande bola de neve de dívidas. Manter o controle no início do ano é fundamental para não passar sufoco no resto dele.


Desde passos simples, como anotar todos os gastos, a passos mais complicados, como se livrar de todos os cartões de crédito, algumas medidas são necessárias para controlar melhor as finanças e evitar que o nome fique sujo na praça. Seja qual for a providência, a palavra é uma só: Economizar!


Para dar início às economias é preciso planejamento e para isso ferramentas é o que não faltam. Planilhas, aplicativos e até mesmo um caderno de anotações já é o suficiente para manter os ganhos e os gastos em ordem. Segundo o economista Rodrigo Pedrosa, de 53 anos, o principal é saber o quanto e entra e o quanto sai. Ter noção dos rendimentos e o quanto se gasta com despesas fundamentais, como água, luz e internet é primordial na hora de planejar gastos extras. É fundamental tomar nota de todos os gastos, mesmo que seja só com papel e caneta.


"Você tem que se perguntar: Se eu ganho R$ 1000 e meus gastos no mês são de R$ 1200, o que tem de errado no meu planejamento financeiro? Se a conta não está fechando, está na hora de rever os gastos e avaliar o que pode ser economizado ou até cortado do orçamento. É aí que se tem que tomar algumas medidas, como economizar na luz evitando ligar o ar-condicionado, por exemplo. Você tem que aprender a viver com o que ganha, se não pode estar cavando um buraco", diz Rodrigo.


Segundo o economista, uma ótima forma de poupar dinheiro é optar por pagamentos à vista. Embora as promoções que permitem pagamento em 10 ou 12 vezes sem juros sejam atraentes, juntar dinheiro para pagar tudo de uma vez pode te livrar de ‘perrengues’ financeiros, já que, de acordo com ele, os descontos que você pode conseguir por pagar à vista compensam o 'alívio' que você conseguiria por parcelar a fatura.


"Pagamento de IPVA, IPTU, adiantamento da renovação de matrícula do filho, por exemplo, se você pagar a vista tem um desconto, por menor que seja. Mesmo que seja um desconto de apenas 5%, pois são poucos os investimentos que vão te retornar essa porcentagem ao longo do ano. Por isso, vale a pena escolher pagar em parcela única.", completou ele. 


Para evitar o estresse, muitos veem o débito automático como uma ótima forma de controlar as finanças e evitar gastar o dinheiro das contas com outras coisas, mas o especialista recomenda o recurso com cautela. 


"É um bom recurso, mas que exige um pouco mais de atenção no caso de algumas despesas. Se um dia sua conta de luz, por engano, chegar aos R$ 1000 e a fatura estiver no débito automático, até você conseguir reclamar e reaver o dinheiro tem todo um processo. Então, em alguns casos, prefira o pagamento tradicional", disse Rodrigo.  


No quesito finanças, é sempre importante abordar um ponto que para muitos é um ótimo aliado, mas para outros é o inimigo número um para quem quer economizar: o cartão de crédito. Enquanto alguns possuem apenas um, outros têm até cinco cartões, o que torna ainda mais difícil controlar os gastos. Por isso, o especialista recomenda reavaliar se é realmente necessário ter um cartão.


"Cartão é para quem tem autocontrole. Ele torna as compras mais leves, mas você precisa lembrar que a fatura um dia vai vencer e você precisa ter o dinheiro para pagar. E, caso não consiga pagar o valor total, a pior coisa a se fazer é pagar o mínimo e acumular mais dívida, já que a taxa de juros é a maior de todas, maior até que a de banco." disse. "Mas quem sabe usar o cartão consegue algumas vantagens, como acumular pontos, milhas e outros benefícios.", completou ele. 


Se optar pagar parcelado, lembre-se que quantos menos parcelas, melhor. Pode ser tentadora a ideia de pagar algo em 10 vezes sem juros e pensar que o valor é tão pequeno que você nem sentirá o prejuízo no bolso, mas o consumidor deve avaliar se vale mesmo a pena ficar tanto tempo ‘amarrado’ em um produto ou passar todas aquelas viagens por aplicativo só por estarem mais 'baratas'.


Para Rodrigo também é essencial aprender a investir dinheiro para ter uma reserva financeira e usar a quantia para aproveitar aqueles saldões e queima de estoque de início de ano, por exemplo.


"Mesmo que sejam apenas R$ 20 por mês, já é uma quantia que você vai ter no final do ano para adiantar uma conta que você pode já pagar à vista. Ou se juntar mais, comprar aquela televisão que no final do ano custava R$ 2.500 e agora está na promoção e custando R$ 1.800, por exemplo.


Segundo o também economista Ciro Almeida, é importante poupar e manter uma reserva de dinheiro em caso de imprevistos, como o conserto de algum eletrodoméstico ou algum problema de saúde.


"É muito importante manter uma reserva de emergência. Existe um alto nível de desemprego, estamos numa retomada econômica ainda. Então é importante poupar para viver bem.”


Saber o quanto ganha e quanto gasta, cortar despesas desnecessárias, poupar dinheiro e guardar uma quantia em uma reserva são princípios básicos que podem ajudar na hora de se controlar no aspecto financeiro e começar - e também terminar - o ano no azul e com o nome limpo na praça. 


*Estagiário sob supervisão de Marcela Freitas 

Veja também