Já está em vigor a lei que determina o fim da gratuidade das sacolas plásticas

Determinação é válida para todo o estado do Rio de Janeiro

Enviado Direto da Redação


Por Thalita Queiroz*


A partir desta quarta (15), entra em vigor a lei que isenta os supermercados a terem que oferecer sacolas plásticas gratuitas para os clientes. A determinação, que é válida para todo o território do estado do Rio de Janeiro, tem a pretensão de reeducar os consumidores no consumo desse material que é tão prejudicial ao planeta. Com a nova lei, quem precisar ir ao mercado fazer compras precisará pagar pelas sacolas.


Por ano, 4 bilhões de sacolas plásticas eram levadas para dentro da casa dos cariocas, cerca de 233 sacolinhas para cada habitante. Porém, essa mudança não é vista apenas como algo positivo, há também o questionamento por parte dos consumidores de como será daqui pra frente, já que as sacolas continuarão sendo vendidas. A dor no bolso do consumidor ganha ainda mais força e muitos pedem soluções eficazes para que seja justo para ambos os lados.


O supermercado Guanabara era o único mercado da região de São Gonçalo que estava oferecendo todas as bolsas plásticas gratuitas e com a nova lei em vigor, elas estão sendo vendidas no valor de R$0,5 centavos. O valor pode variar de supermercado para supermercado.


Uma aposentada que não quis se identificar chegou pela manhã no local e disse que não foi pega de surpresa. Já sabendo que teria que pagar pelas sacolas, ela logo afirmou: "Isso é um absurdo. As sacolas vão continuar sendo vendidas e as pessoas vão continuar comprando. Não vai mudar em nada", disse a idosa. Porém há uma mudança e estima-se que até o final do ano a quantidade de sacolas em menos R$ 2 bilhões.


Já o casal aposentado, Valter Ferreira, de 74 anos, e  Ivanilda, de 68 anos costumam fazer compras em grande quantidade nos supermercados e foram pegos de surpresa. "Nós estamos hoje de carro mas se não estivéssemos não ia ter como terminar as compras. Mas eu imagino as pessoas que as vezes sai do trabalho correndo e precisa comprar alguma coisa no mercado. Como que faz?", disse o idoso. Já sua esposa reconhece que isso é resultado de um grande período de relaxamento da população. "A situação está um caos mas os supermercados poderiam oferecer pelo menos algumas caixas de papelão ou iniciar alguma campanha que favoreça o consumidor", diz ela.


Etapas para a mudança de hábito: A primeira etapa para dar início ao fim das sacolas plásticas entrou em vigor em junho de 2019, quando os supermercados foram obrigados a substituírem as bolsas plásticas convencionais, produzidas com 100% de petróleo, por modelos feitos com 51% de material renovável. 


Em seguida houve um período que obrigava as unidades a oferecerem duas sacolas grátis por compra, para cada consumidor. De acordo com a Associação de Supermercados do Rio de Janeiro (ASSERJ), o resultado foi a eliminação de um bilhão de sacolas nesse período.


Ainda não é possível medir na prática os ônus e bônus dessa nova determinação e enquanto isso os consumidores pedem por uma solução que seja boa também para o bolso deles. Em nota, o Procon disse que os supermercados poderão distribuir as sacolas mediante cobrança máxima de seu preço de custo, neste incluídos os impostos.


Já o presidente da ASSERJ, Fabio Queiróz, falou sobre a nova medida: "Nós, da ASSERJ, sempre acreditamos que o setor conseguiria mostrar sua preocupação com o meio ambiente. A campanha é apenas o reflexo de que podemos ir muito além e contribuir ainda mais para o Rio de Janeiro. Temos a certeza de que podemos evoluir bastante nesse sentido. O primeiro passo já foi dado e impacto gera resultados expressivos", disse.


Estagiária sob supervisão de Cyntia Fonseca*

Veja também