Guarda Municipal divulga balanço de operações nas praias do Rio

Grupamento completará 20 anos

Enviado Direto da Redação
Grupamento Especial de Praia e Marítimo (GPM), completará 20 anos, em março

Grupamento Especial de Praia e Marítimo (GPM), completará 20 anos, em março

Foto: Divulgação

A Guarda Municipal do Rio registrou 786 auxílios diversos ao público e 81 prisões em flagrante por diferentes crimes, como roubo, furto e lesão corporal, além de apreender 55 adolescentes por ato infracional e 398 armas brancas ao longo de 2019, na orla das zonas Sul e Oeste da cidade. Os dados foram registrados pelo Grupamento Especial de Praia e Marítimo (GPM), que completará 20 anos, em março, de atuação exclusiva na faixa da areia, em diversas ações de ordenamento, fiscalização e assistência a banhistas e frequentadores em geral.


Criado em 2000 como Grupamento Especial de Praia (GEP) para atuar na orla da Zona Sul, as ações foram estendidas em 2011 para a Zona Oeste, cobrindo praias da região, como Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Prainha e Abricó. Em 2019, O antigo GEP foi rebatizado como Grupamento Especial de Praia e Marítimo devido à ampliação de suas atividades, passando a integrar também operações costeiras, que acontecem desde 2019 numa parceria entre a Prefeitura do Rio e a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro.


"Os resultados do GPM são sempre muito positivos, porque é um grupamento que lida com uma grande diversidade de ocorrências na orla, como crianças perdidas, afogamentos, resgate de animais silvestres e marinhos feridos e ainda atuam nos flagrantes de roubos e furtos. Além de toda a atribuição de fiscalização das normas das praias, que é bastante extensa, os nossos guardas não deixam de prestar apoio e suporte aos banhistas e turistas, realizando um trabalho de extrema importância para a cidade", afirma a comandante da Guarda Municipal, inspetora geral Tatiana Mendes.


Os agentes integram ainda a Operação Verão, que começou no dia 1 de novembro e envolve, ao todo, 530 guardas no ordenamento urbano e no controle do trânsito durante os fins de semana e feriados. A operação conta ainda com agentes do Rio+Seguro Copacabana e Leme – programa pioneiro da Prefeitura em apoio à segurança pública. As equipes em campo têm acesso às imagens enviadas pelo Núcleo de Videopatrulhamento da Guarda Municipal, que funciona no Centro de Operações Rio (COR) e utiliza 80 câmeras da Prefeitura redirecionadas para reproduzir imagens do calçadão e da faixa de areia da Zona Sul, especificamente com foco na segurança.


Fiscalização das Posturas Municipais


Em relação à fiscalização das normas do código de posturas do município (decreto nº 29.881/2008), que fazem parte da rotina diária do GPM nas praias, foram registradas 4.609 orientações para a retirada de cães na areia em 2019.  A lei nº 6.642/2019 passou a permitir a presença cães nas praias da cidade e passa por adequação dentro das normas de conservação. Os agentes orientam sobre a nova legislação, que exige o uso de guia e o cartão de vacinação do animal.


Houve ainda 505 ações para coibir a prática de esportes, como altinho e frescobol, flagrados em horário e/ou local proibidos, das 8h às17h próximo ao espelho d`água. Os guardas ainda orientaram a retirada de 1.309 barracas de camping nas praias, pois também não é permitido o acampamento nas praias. Casos de má utilização de equipamentos públicos foram 646 flagrantes com orientação aos usuários e 95 registros de condutas inconvenientes nas praias do Rio.


Durante o patrulhamento, o GPM fez ainda 2.158 ações de desobstrução do logradouro público e apreendeu 8.729 produtos diversos com ambulantes irregulares, como churrasqueiras, botijões de gás, fogareiro, tochas, além de perecíveis, como queijo coalho e camarão, cujas condições de armazenamento na praia ofereciam riscos à saúde.


Ação preventiva  


A Guarda Municipal também oferece o serviço de identificação de crianças nas praias e realizou a distribuição de centenas de pulseiras impermeáveis nas tendas operacionais instaladas na areia. A ação preventiva tem como objetivo facilitar a localização dos pais ou responsáveis caso as crianças se percam.  Em 2019, foram registrados 158 casos de crianças perdidas com os pais localizados sendo pelas equipes. Houve ainda nove casos de crianças em situação de risco na orla.  Quando os pais não são encontrados, as crianças e os adolescentes são encaminhados para o Conselho Tutelar.

Veja também