Primeira escola Intercultural Brasil-México prepara festa temática em SG

Unidade fica no bairro de Neves

Enviado Direto da Redação

Daniela Scaffo 


A primeira escola de São Gonçalo a receber o projeto de ensino intercultural, irá realizar uma festa em comemoração ao Día de Muertos, na próxima sexta-feira (1). Os alunos e professores do Ciep Brizolao 413 Adão Pereira Nunes, agora Escola Intercultural Brasil-México, em Neves, prepararam uma programação para a celebração de origem indígena.


No dia, será feita uma oferenda ao Día de Muertos, gastronomia mexicana, danças, mostra de vídeos, oficina de máscaras de caveiras e sessão de pipoca com filme, além de um concurso de audiovisual, que poderá levar os alunos vencedores a uma festa do consulado Mexicano, no Centro Cultural Correios, no Centro do Rio.


"Essa festa não é uma questão religiosa, mas sim cultural. Tudo foi produzido pelos nossos alunos, com a ajuda dos professores e da direção do colégio. Não será uma festa comum de escola. Será algo grandioso, um divisor de águas. Nessa festa, contaremos com a presença do cônsul do México, Adolfo Zepeda", explicou a professora de espanhol da unidade, Andreza Espíndula.


O projeto em São Gonçalo é piloto em todo Estado. Isso porque a escola de Neves é a primeira a receber o projeto intercultural a partir do sexto ano do ensino fundamental, a partir de janeiro de 2020. Em outras unidades com projeto semelhante, o ensino é garantido a partir do ensino médio.


Para isso, os professores da escola já estão realizando cursos de especialização proporcionados pelo próprio consulado mexicano, gratuitamente. Além disso, o consulado também já enviou cerca de 300 quilos de livros de todas as disciplinas em espanhol para a unidade de ensino.


Segundo a coordenadora do Ciep, Shames Jacob, em 2018, a unidade passou por uma reestruturação estratégica: os alunos foram consultados do que gostariam que mudasse na escola, com o foco em melhoria na educação. 


"Foi feita uma seleção relacionando todas as escolas de São Gonçalo e devido ao nosso desempenho, indicaram a nossa escola e a Secretaria de Educação do Estado (Seeduc) começou a nos monitorar. Nisso, eles viram que a escola tinha o perfil que estavam procurando", disse a coordenadora.


Atualmente, a unidade tem cerca de 640 alunos nos ensinos fundamental e médio. No currículo dos alunos, serão incluídas as disciplinas núcleo articulador, história do México, artes do México, linguagem, projeto de vida e espanhol. Nesse projeto, os alunos contarão com seis tempos de aula de espanhol, enquanto hoje contam com apenas um, além do inglês.


"O consulado informou para a gente que há várias escolas México pelo mundo. A nossa é a primeira no mundo que interfere diretamente no currículo. O consulado já apoia 240 escolas no mundo inteiro, mas não nesse formato que teremos aqui. Seremos uma escola piloto", declarou o diretor geral da escola, Sidnei Junior, que estava acompanhado do adjunto, Enio Eduardo.

Veja também