Morre o menino que teve dinheiro doado para tratamento roubado pelo pai

João Miguel completou 2 anos no último dia 7

Enviado Direto da Redação
João Miguel sofria de AME e pai roubou mais de R$ 600 mil de um vaquinha João Miguel sofria de AME e pai roubou mais de R$ 600 mil de um vaquinha

João Miguel sofria de AME e pai roubou mais de R$ 600 mil de um vaquinha João Miguel sofria de AME e pai roubou mais de R$ 600 mil de um vaquinha

Foto: Reprodução

Morreu nesta quinta-feira (17), o menino João Miguel, de 2 anos, que  sofria de atrofia muscular espinhal (AME), uma doença degenerativa grave e acabou tendo uma parada cardíaca. Seu caso teve maior destaque em julho, quando seu pai, Mateus Henrique Leroy Alves, de 37 anos, roubou R$ 600 mil do dinheiro de uma vaquinha online que foi feita para ajudar no tratamento de João. Logo depois, o homem foi preso pela polícia. 


Daniel Gomes, titular da delegacia de Conselheiro Lafaiete, em Belo Horizonte explicou  como o menino faleceu. 


“João estava em casa ontem a noite quando passou mal e teve que ser internado às pressas. Ele recebeu atendimento rapidamente num hospital aqui em Conselheiro e foi transferido para Belo Horizonte. Hoje teve uma parada cardíaca e não resistiu", disse. 


A criança precisava de um remédio chamado Spinraza para tratar a doença, pensando nesse e em outros custos do tratamento do menino, a família resolveu criar a campanha "Ame João Miguel" que conseguiu juntar mais de R$ 1 milhão em um ano. A campanha acabou em agosto, quando a família conseguiu uma liminar na Justiça que obrigou o estado a pagar as três primeiras doses do medicamento, o preço de cada uma delas era de R$ 340 mil.


O último vídeo da campanha está nas redes sociais e foi gravado por Karine Rodrigues, mãe de criança, ela agradecia a todos pelas mensagens no aniversário de João, que havia completado dois anos no último dia 7.  Na publicação, ela disse: "Mais uma conquista aí na vida dele. Ele tá muito feliz pelo carinho de todos e todo mundo faz parte desta vitória.”


O pai da criança, Matheus, é acusado de roubar R$ 600 mil do dinheiro de uma vaquinha online para ajudar João no tratamento da AME. Com o dinheiro, ele viajou para Salvador, viveu uma vida de luxo e ainda gastou R$ 50 mil em uma casa de prostituição. A mãe da criança só descobriu o roubo, após o pai se comportar de maneira estranha. Foi quando a polícia sugeriu que a mulher visse a conta bancária da campanha e lá, ela descobriu os saques. Ao ser preso, Matheus disse que estava arrependido e pediu perdão à esposa, mas não disse o que fez com o dinheiro.  


O delegado do caso disse: "O Mateus continua preso. Está respondendo pelos crimes de estelionato e abandono material contra a família. Já teve a audiência para ouvir as testemunhas do caso, eu até fui ouvido na ocasião e o Mateus também. A previsão é de que a sentença saia no próximo mês", explicou. 


Daniel Gomes ainda disse que existe um novo inquérito contra o pai de João. "Estamos com a análise de alguns dados bancários para ser feita, é um inquérito mais demorado pela quantidade de dados, mas ele provavelmente será indiciado pelo crime de lavagem de dinheiro assim que concluir o inquérito", afirmou. 


João Miguel será velado e sepultado nesta sexta-feira (18), em Conselheiro Lafaiete.

Veja também