ONG de São Gonçalo, AAPA, faz trabalho pela causa animal

A associação recolhe tampas de garrafa plásticas em diferentes pontos na cidade

Enviado Direto da Redação
Apresentação no Centro Educacional Mendes Duarte

Apresentação no Centro Educacional Mendes Duarte

Foto: Divulgação


Por Jhenifer Lima*


A ONG Amigos Anônimos em Prol dos Animais (AAPA) realiza trabalho voluntário visando o combate ao abandono dos animais em São Gonçalo. A associação recolhe tampas de garrafa plásticas em diferentes pontos na cidade e realiza castração de animais em situação de rua com o dinheiro arrecadado com a coleta.


A AAPA foi criada em dezembro de 2018. Ela é composta por Eliane Correia, Bárbara Alcântara, Tânia Correia, Luíza Manhães  e  Luiz Silva, todos voluntários de diferentes áreas profissionais.


A diretora da Organização, Eliane, de 55 anos, conta que após um passeio ciclístico, seu esposo teve a ideia de convidar a  Área de Preservação Ambiental (APA) do Engenho Pequeno para uma parceria a fim de fazer eventos que promovam o cuidado com o meio ambiente e a proteção aos animais.


Com o auxílio de voluntários, a ONG promove uma campanha de conscientização sobre abandono, maus tratos e preservação do meio Ambiente. Na campanha, são realizados eventos em diferentes escolas de São Gonçalo com palestras de agentes da Guarda Florestal, do médico veterinário Marcos André, da Luciane Marinho, administradora da APA do Engenho Pequeno e também a encenação da peça ''A história de Osteobaldo e Bartolomeu'', elaborada por membros da Cia Teatral Sofá Laranja.


''A ideia de criar uma ONG surgiu após presenciar muitas injustiças com animais. Trabalhamos para conseguir castrar animais de rua ou de protetores que não tem condições de arcar com o tratamento dos bichos, pois a castração é a forma mais eficiente de reduzir o abandono'', conta Eliane.


Apesar de ainda não ter completado um ano de existência, a ONG já impactou muitas vidas e realizou eventos de conscientização em instituições de ensino como o Centro Educacional Mendes Duarte, o Educandário Cecília Meireles e o Centro Educacional Tereza Cristina. A AAPA já castrou e socorreu diversos animais e também arrecadou rações para protetoras do município. 


De acordo com a diretora da organização, eles ainda não possuem uma sede e não adotam animais. O trabalho é restrito a castração, socorro e doação de animais. Para aqueles que desejam contribuir na coleta de tampinhas, basta comparecer aos pontos de coleta localizados na UERJ, na rua Francisco Portela, número 1470, no bairro Patronato e no Icbeu, no número 2772, no Zé Garoto.


A partir do mês de novembro, a associação entrará em contato com novas escolas para estabelecer a agenda de apresentações do próximo ano.


Estagiária sob supervisão de Cyntia Fonseca*

Veja também