Passageira que foi ofendida por motorista de Uber quer processar a empresa

Condutor insultou a passageiras após cancelar a viagem

Enviado Direto da Redação
Condutor insultou a passageiras após cancelar a viagem

Condutor insultou a passageiras após cancelar a viagem

Foto: Kiko Charret

Em junho, o jornal O SÃO GONÇALO denunciou a forma abusiva que um motorista do aplicativo de viagens Uber respondeu a uma passageira. Ao aceitar a corrida, o homem indagou o destino final da mulher e ao ser respondido, o motorista posteriormente cancelou a corrida e insultou a passageira e os moradores de São Gonçalo em geral. O caso repercutiu nas redes sociais através de um print que a vítima, Ana Clara Brandão, de 37 anos, publicou.


A usuária do aplicativo relatou que sempre utilizou os serviços do aplicativo sem ter problemas até o dia que foi insultado. “Todos os dias a noite eu pedia um Uber até a rua José Robertiere, no bairro do Coelho. O local não é de risco mas o valor que dá do meu destino inicial até o meu final é um valor baixo”, conta Ana Clara.

O valor da corrida naquela ocasião não iria passar de R$ 7 e a mulher suspeita que a recusa e a forma ofensiva como foi tratada foi referente ao valor da corrida.

Traumatizada com o que aconteceu, a cabeleireira desde o ocorrido, há três semanas, não consegue mais viajar pelo aplicativo. “Eu evitava voltar para casa de carro pois não gosto de dirigir de noite, mas depois disso eu passei a usar o meu carro. Tenho medo de ser o  mesmo motorista”, desabafa ela.

Ana Clara diz que pretende entrar com um processo e que está buscando formas de dar início a isso. Ela reclama que no aplicativo e no site não há a opção de relatar um problema com corridas que não foram realizadas.

“Como eu não cheguei a entrar no carro e nem dar partida à corrida, a princípio não tem como eu fazer a reclamação”, conclui ela.

A vítima conta ainda que ficou tão nervosa no momento do ocorrido que não conseguiu printar toda a conversa. “O que eu tenho é uma parte dos insultos e o nome dele, apenas isso”.

Ela ainda desabafa. “Os motoristas de Uber lutaram tanto para conseguir regularizar o trabalho deles e agora tratam os clientes dessa forma arrogante por causa de valor na corrida ou do local que vão nos levar, isso está errado”.

Em nota, a Uber respondeu que "não foi possível verificar o caso relatado  porque não foi fornecida qualquer informação sobre o usuário, o veículo ou o motorista que permitisse identificá-los. Sem isso, não é possível à Uber verificar se a ocorrência mencionada tem de fato alguma relação com o aplicativo.

Vale lembrar que a Uber condena o uso de linguagem inapropriada e tem uma política de tolerância zero a qualquer forma de discriminação em viagens pelo aplicativo. Nos casos em que usuários sentirem que o tratamento dado pelo parceiro não foi respeitoso, ou vice-versa, ressaltamos sempre a importância de reportarem esses incidentes à Uber, para que possamos tomar as medidas necessárias. Conforme explicitado no Código de Conduta da Comunidade Uber e nas Políticas de Desativação, casos de conduta discriminatória podem levar à desativação da plataforma".

Veja também