Petrobras vai compensar Itaboraí por problemas gerados após paralisação do Comperj

Termo de Ajustamento de Conduta deve ser assinado té agosto

Enviado Direto da Redação
Termo de Ajustamento de Conduta deve ser assinado té agosto

Termo de Ajustamento de Conduta deve ser assinado té agosto

Foto: Divulgação

Durante uma audiência pública realizada na última segunda-feira (24) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio (ALERJ), o gerente de implementação e empreendimentos da Petrobras, Alessandro Costa Mello, anunciou que até o fim de agosto deste ano, a empresa deve assinar o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para compensar o município de Itaboraí pelos problemas gerados após a paralisação dos trabalhos no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em 2015.

Segundo Mello, o acordo já está em fases finais de entendimento. Para o parlamentar Luiz Paulo (PSD), presidente da CPI e quem coordenou o debate sobre a interrupção do funcionamento do Comperj, a assinatura do termo é o resultado de todos os impactos ambientais, sociais e econômicos que a paralisação causou no município de Itaboraí e em todo o Estado.

De acordo com o prefeito do município, Dr. Sadinoel Souza, Itaboraí sofreu com grandes prejuízos após a falta de investimentos da estatal no complexo petroquímico. Segundo o chefe do executivo, a cidade sofreu a maior crise de desemprego e 30 mil pessoas foram desligadas da empresa.

A Petrobras anunciou que a Unidade de Produção de Gás Natural (UPGN) será concluída até 2021, demandando um investimento de R$2 milhões, e podendo gerar 21 milhões de metros cúbicos do combustível por dia e gerar 8 mil empregos na cidade.

Outro tema tratado na reunião, foi a possibilidade da construção de um refino nas instalações do Comperj. O plano de realizar obras para uma termelétrica no local, também foi discutido, o que ainda é distante.

Veja também