Gatos estão presos no 'Prédio da Caixa' há uma semana

Edifício foi desocupado e 'murado' por ordem judicial na última sexta-feira (7)

Enviado Direto da Redação


Rafaela Batista*


Há uma semana, moradores e comerciantes do Edifício Nossa Senhora da Conceição, popularmente conhecido como "Prédio da Caixa", na Av. Amaral Peixoto 327, no Centro de Niterói, tiveram que deixar o prédio devido a uma ordem judicial de desocupação por motivos de segurança e habitação. Mas, os gatos que estavam no local ficaram presos, sem ter para onde ir. 


De acordo com os comerciantes próximos ao edifício interditado, os animais estão presos desde a sexta-feira passada (7) e choram o dia inteiro, na intenção de pedir ajuda, já que estão a ponto de se jogarem pela janela. Em um dos registros, é possível ver um deles pela janela do prédio tentando achar uma saída, já que todas as portas foram fechadas com concreto.


A Prefeitura de Niterói foi procurada e respondeu que " a ação de desocupação do prédio da Amaral Peixoto foi coordenada pela Justiça, que tem a guarda do prédio. A Prefeitura não tem autorização para entrar no edifício. Todos os animais que forem levados ao CCPAD serão castrados".


Recordando -  Em uma determinação feita pela Justiça, a pedido da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania do Núcleo Niterói/Maricá do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ), no dia 7 de junho, moradores do 'Prédio da Caixa', precisaram desocupar o lugar por causa das situações precárias para segurança e habitação dos populares. 


O local é investigado pelo MP desde 2010, mas, somente em 2013, durante uma ação pública foi determinada uma vistoria no edifício, com a intenção de proteger os moradores dos riscos e devido a manutenção de fiscalização. 


O promotor de justiça responsável pela Promotoria de Justiça de Cidadania de Niterói, Luciano Mattos, informou que após a desocupação, outras decisões processuais serão discutidas para que seja dado início às obras a serem realizadas. 


“O objetivo é garantir a regularidade do prédio. Uma vistoria será feita no local por diversos órgãos responsáveis conforme foi determinado pela juíza Andrea Gonçalves para averiguar o que precisa ser feito. Ainda não temos previsão de quando será realizada, porque os procedimentos da desocupação e assistência aos moradores está sendo finalizada ”, explicou, na ocasião. 


Há sete anos, o mesmo prédio já foi comandado por milicianos, quando, à época, foi feita uma operação com a ajuda de 500 policiais para a desocupação do lugar.


Estagiária sob supervisão de Cyntia Fonseca*

Veja também