Mayaro: Cientistas da UFRJ descobrem novo vírus

Três casos foram confirmados em Niterói

Enviado Direto da Redação
Vírus pode ser transmitido pelo Aedes a egypti e pernilongo comum (C ulex),

Vírus pode ser transmitido pelo Aedes a egypti e pernilongo comum (C ulex),

Foto: Divulgação

Uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) descobriu um novo vírus em circulação no estado o mayaro . A doença é bem similar a chikungunya e, causa dores nas articulações intensas e por prolongados meses. Já são três casos confirmados no estado e, todos eles em Niterói.

Há pelo menos quatro anos, os cientistas chamavam atenção para o risco de o mayaro, um vírus silvestre da Amazônia, se estabelecer nas grandes cidades do Sudeste.

Descoberto na década de 50, até então só se tinha relato da doença no norte e Centro-Oeste. Na época, acreditava-se que ele só seria transmitido pelo por mosquitos florestais Haemagogos, os mesmos da febre amarela silvestre, mas há sinais de que ele começou a se adaptar aos centros urbanos e, hoje o mayaro pode ser transmitido tanto pelo Aedes a egypti quanto pelo pernilongo comum (C ulex), o que potencializa o risco de epidemia.

De acordo com os pesquisadores, confundido com o chikungunya, o mayaro está no Rio desde 2016. E todas as pessoas infectadas em Niterói, não viajaram para regiões endêmicas.

Agora, os cientistas, buscam recursos para ampliar a pesquisa, e aguardam a análise de pelo menos 400 amostras deste ano, vindas dos municípios do Rio, Maricá e Miracema.

Veja também