Guarda Municipal 'fecha os olhos’ e moradores de rua ocupam praias de Niterói

Icaraí é o bairro mais afetado pelo problema

Enviado Direto da Redação
O SÃO GONÇALO flagrou moradores de rua dormindo sobre camas improvisadas com papelões no final da praia de Icaraí

O SÃO GONÇALO flagrou moradores de rua dormindo sobre camas improvisadas com papelões no final da praia de Icaraí

Foto: Kiko Charret


Nas areias de uma das principais praias da Zona Sul de Niterói, a palavra ‘contraste’ se encaixa perfeitamente com a situação que ocorre. O município que possui o 7º maior IDH do Brasil e o melhor do estado do Rio de Janeiro é o mesmo que possui centenas de pessoas em situação de rua, que fazem da extensão da areia suas casas sem que a Guarda Civil Municipal atue para reprimir a ocupação deses espaços públicos.


O SÃO GONÇALO flagrou moradores de rua dormindo sobre camas improvisadas com papelões no final da praia de Icaraí, na altura da Estrada Leopoldo Fróes.


Além da falta de atuação na fiscalização dos espaços públicos, a Guarda Municipal de Niterói também tem sido cobrada para melhor ordenar o trânsito nas vias da cidade, principalmente no horário de rush, como O SÃO GONÇALO mostrou na edição de ontem.


Outro local que vem sendo utilizado como residência por moradores de rua no decorrer do dia, sem a fiscalização da Guarda Municipal é o Caminho Niemeyer, na altura da Concha Acústica, no Centro.


Grupos se reúnem para dormir no espaço em que jovens passam para ir em direção ao Campus da Universidade Federal Fluminense (UFF), ou em direção ao Terminal Rodoviário de Niterói. Além disso, podem ser vistos vários objetos espalhados em meio a grama do local.


Questionada, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos de Niterói (SASDH) informou que “as equipes técnicas especializadas, compostas por assistentes sociais, psicólogos e educadores sociais, realizam, em média, 500 abordagens mensais, onde buscam sensibilizar as pessoas em situação de rua para irem para o Centro Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop)”, informa a Prefeitura.


“Em média, 230 pessoas são encaminhadas, mensalmente, ao local. Não são, evidentemente, números fixos. É importante destacar que as ações da SASDH são diárias e contam com o apoio da Guarda Municipal, quando necessário. A Prefeitura de Niterói possui três locais totalmente equipados para atender e receber a população adulta em situação de rua. São eles: a Casa de Acolhimento Florestan Fernandes, que oferece 50 vagas para homens adultos, o Centro de Acolhimento Lélia Gonzalez, com 50 vagas para mulheres e famílias, e o Centro de Acolhimento Arthur Bispo do Rosário, com 30 vagas para homens adultos. Também existem dois centros de acolhimento para crianças e adolescentes em situação de rua. Não há falta de vagas em abrigos”, encerra a nota enviada pela Prefeitura de Niterói.

Veja também