Movimento das Mulheres de São Gonçalo completa 30 anos

MMSG também atua em municípios adjacentes

Enviado Direto da Redação
Com os passar dos anos, atuação do Movimento de Mulheres foi ampliada para outros  municípios

Com os passar dos anos, atuação do Movimento de Mulheres foi ampliada para outros municípios

Foto: Divulgação

Por Daniela Scaffo


O Movimento de Mulheres de São Gonçalo (MMSG) completa 30 anos no próximo dia 29. Quando foi criada, em 1989, a entidade surgiu enquanto um movimento de defesa e luta pelos direitos humanos das mulheres residentes no município. Com o passar dos anos, sua atuação foi ampliada e outras causas e municípios passaram a fazer parte do público-alvo das ações da instituição.


Assim o MMSG expandiu seu campo de ação para a questão da violência doméstica e sexual contra crianças, adolescentes e jovens, direitos dos idosos, das pessoas vivendo com HIV, das gestantes, direito ao esporte, lazer, cultura e profissionalização, dentre outros, abrangendo não só o município de São Gonçalo, mas também municípios adjacentes.


“Em suas ações, além da reivindicação, mobilização e controle social sobre as políticas públicas, a instituição passou a elaborar e a desenvolver projetos para atendimento das demandas da população, como atendimento interdisciplinar nas áreas de Serviço Social, Direito, Pedagogia e Psicologias a mulheres, crianças, adolescentes e jovens vítimas de violência doméstica e sexual, por meio do projeto Neaca; atendimento a pessoas vivendo com HIV; palestras; oficinas e cursos de capacitação para profissionais, e diversas outras atividades oferecidas todas de forma gratuita”, contou Erica Peçanha, técnica no Movimento de Mulheres de SG.


Apenas no ano de 2018, 294 pessoas receberam atendimento interdisciplinar na instituição, o que gerou um número de 2.919 atendimentos. As atividades lúdicas, recreativas e culturais realizadas pelo projeto Neaca atingiram 475 crianças, adolescentes e jovens. Já nas reuniões de associadas, participam cerca de 30 mulheres semanalmente.


“O projeto Tecendo Redes: Proteção e Defesa de Crianças e Adolescentes, apoiado pela Petrobras, promoveu nos últimos quinze meses oficinas sobre a violência doméstica e exploração sexual com a comunidade e instituições, seminários sobre violência doméstica e exploração sexual, consultorias nas instituições que atendem crianças e adolescentes, tudo isso somando 5971 pessoas atingidas”, emendou Erica.


Crise atingiu serviços prestados pela entidade


Apesar de suma importância para a região, atualmente a instituição possui recursos reduzidos para desenvolvimento de suas ações, tendo em vista a crise econômica no país. Segundo Erica, as contribuições e as seleções públicas de projetos tiveram uma expressiva redução, o que vem impactando de forma significativa o desenvolvimento do trabalho.


“Em 2015, o MMSG possuía a sede mais uma filial em São Gonçalo, uma filial em Maricá, uma em Magé, outra em Niterói e uma em Araruama. Hoje conta somente com a sede em São Gonçalo e, recentemente, com uma sala em Niterói para atendimento aos usuários de um de seus projetos. A capacidade de atendimento reduziu, mas a instituição vem resistindo e se movimentando em busca de colaboradores e novas parcerias”, declarou.


Apesar disso, a instituição tem motivos para comemorar os 30 anos. Por isso, no próximo dia 29, será realizado um evento comemorativo ao Aniversário do Movimento de Mulheres em São Gonçalo. O evento contará com a participação de associados, usuários, funcionários e colaboradores que ao longo dos 30 anos da instituição contribuíram e fizeram parte da sua trajetória.


Veja também