Piscinão na Praia das Pedrinhas, de São Gonçalo segue abandonado

Parque Ecológico está fechado desde 2016

Enviado Direto da Redação
Além da área de lazer onde havia a piscina para a população, outros equipamentos sofrem com falta de investimentos

Além da área de lazer onde havia a piscina para a população, outros equipamentos sofrem com falta de investimentos

Foto: Leonardo Ferraz

Por Marcela Freitas 

O calor “escaldante” dos últimos dias, faz com que a nostalgia faça parte do cotidiano dos Gonçalenses, que lembram com saudade do tempo em que a cidade tinha como a mais importante área de lazer o Parque Ecológico Praia das Pedrinhas, popularmente conhecido como Piscinão de São Gonçalo, no Boa Vista.

Depois de alguns períodos parado, em 2016, o Governo do Estado decidiu dar fim às atividades alegando crise financeira. O fechamento da área fez com que o parque sofresse o seu pior quadro de abandono, desde a inauguração. O local sofre com a depredação e, se hoje fosse reaberto, nada seria reaproveitado.

Onde se via espelho d’água, hoje o mato encobre a área e árvores crescem frondosas no local. Mas o estado de abandono não se limita apenas ao lago artificial. Outros equipamentos sofrem com a falta de investimentos e também de vigilância. As catracas, que contabilizavam o número de usuários que visitavam a área, foram furtadas. Os quiosques foram destruídos para retiradas de janelas e louças. E nem os postes escaparam da ação de vândalos, todos já foram derrubados para furto das hastes e luminárias que são de alumínio.

Moradora do bairro, Zenir Cândido, 59, viu na área de lazer a chance de lutar pela vida. Em 2005 ela sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC), e foi graças a hidroginástica que fazia no local que pode retomar seus movimentos.

“Eu ainda venho fazer caminhadas, mas sinto muita saudade daquela época em que tínhamos atividades e equipamentos esportivos. Me entristece ver o abandono. Se não fosse o auxílio que recebi dos excelentes profissionais que trabalhavam aqui, talvez não tivesse nas boas condições que me encontro hoje”, contou.

José de Paula, 73, também sente saudades.

“Que época boa vivemos aqui. Eu frequento o Piscinão desde o início do projeto. Vi nascer e ser destruído pelo antigo governo”, contou.

Frequentadora assídua do local, a dona de casa Joanildes Passos, 59, disse que não acredita na recuperação da área.

“Infelizmente esse abandono deixou que tudo fosse destruído. Não restou nada. Das vezes em que fechou, essa foi a que o local ficou em pior estado. Confesso que estou desacreditada”, lamentou.

Custos - Em 2004, quando foi entregue à população gonçalense, o Parque Ecológico Praia das Pedrinhas custou aos cofres públicos R$ 13 milhões. Quatro anos após a inauguração, o local foi fechado e reaberto em 2010. Para sua reabertura foram investidos mais R$ 4 milhões, que totalizaram R$ 17 milhões, além dos gastos com manutenção e funcionários.

A Suderj, autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje), informou que “o Parque Ambiental Praia das Pedrinhas está desativado por conta do alto custo de manutenção do local. A partir deste mês, o órgão quer ouvir os moradores da região, o município, além da sociedade civil, e segue aberto às parcerias da iniciativa privada, com objetivo de revitalizar o espaço e dar um destino positivo para a região. De acordo com o secretário de Esporte, Lazer e Juventude, Felipe Bornier, a ideia é fazer, em conjunto, um estudo de viabilidade econômica da região”.

Veja também