Funcionários do Hospital Azevedo Lima protestam por falta de salários

Trabalhadores farão greve se o pagamento não for feito

Escrito por Redação 19/06/2018 09:45, atualizado em 19/06/2018 09:43
Férias e outros direitos trabalhistas também estão pendentes
Férias e outros direitos trabalhistas também estão pendentes . Foto: Julio Diniz

Funcionários do Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, em Niterói, prometem paralisar o atendimento na unidade, caso os débitos referentes à folha de pagamento deste mês, não sejam quitados nos próximos dias. Ontem, um pequeno grupo, representando mais de 1,2 mil funcionários, realizou um protesto na porta da unidade.

Há um mês, O SÃO GONÇALO esteve no local acompanhando o drama dos trabalhadores, vinculados à organização social Instituto Sócrates Guanaes (ISG), que administra a unidade. Logo após a reportagem, todo o corpo clinico recebeu os salários do mês vigente.

Segundo os funcionários, o atraso nos pagamentos afeta a limpeza do hospital, já que apenas 30% dos trabalhadores estariam atuando. Os profissionais contam ainda que falta material de limpeza e que objetos infectados como agulhas estão sendo descartados em lixeiras comuns por falta de do coletor para material perfurocortante.

Segundo o técnico de enfermagem Edson Nascimento, de 52 anos, o salário deste mês deveria ter sido pago até o dia 10, assim como as férias que, em alguns casos, não são quitadas há três anos, bem como o 13° salário do ano passado e também a última parcela do 13° de 2016 e, ainda o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), que não estaria sendo depositado há 16 meses.

“Todas as outras unidades de saúde já realizaram o pagamento de seus funcionários. Aqui nem a passagem foi depositada corretamente. É absurdo que todos os meses tenhamos que recorrer à imprensa. Sem os pagamentos, não podemos continuar trabalhando”, afirmou Edson.

A Secretaria de Estado de Saúde informou, por meio de nota, que os recursos serão disponibilizados esta semana e que o Hospital Estadual Azevedo Lima  segue em funcionamento.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas