Desperdício de energia em São Gonçalo

Lâmpadas de iluminação pública ficam acesas durante o dia em vários bairros

Escrito por Redação 26/03/2018 09:56, atualizado em 26/03/2018 09:53
Em vários pontos da cidade, há pontos de luz acesos ao dia
Em vários pontos da cidade, há pontos de luz acesos ao dia . Foto: Leonardo Ferraz

Por Daniela Scaffo

Enquanto algumas ruas de São Gonçalo necessitam de iluminação pública, outras desperdiçam energia ao longo de todo o dia. Um dos principais flagrantes foi no Centro da cidade, na Avenida Presidente Kennedy, onde aproximadamente cinco lâmpadas ficam constantemente acesas.

Mas não é só nessa via do Centro que o problema foi identificado. Na Coronel Moreira César, próximo à casa do prefeito, José Luiz Nanci, ao Hospital Municipal Luiz Palmier e a Praça Estephânia de Carvalho, mais conhecida como Zé Garoto, aproximadamente, quatro lâmpadas não apagam nem durante o dia, quando elas não são necessárias, e também na Rua Zeferino Costa.

O assistente social Júlio Martins, 46, mora no local há 20 anos e reclamou do desperdício de energia. Segundo ele, há mais de três anos as lâmpadas não apagam, enquanto outras localidades sofrem com a falta de iluminação pública.

“A gente fica insatisfeito porque é um gasto desnecessário. Não há porque de manhã ter lâmpadas acesas, já que a luz do dia já faz o seu trabalho”, disse.

Além do Centro, o Mutondo também contém lâmpadas acesas, mais especificamente na Avenida Jornalista Roberto Marinho. “Eu moro na Travessa Ramos e uns cinco postes não acendiam. Os moradores tiveram que fazer uma vaquinha para comprar as lâmpadas necessárias, há quatro meses, porque o local é deserto e estava ficando perigoso”, explicou o operador de subestação, Marcos Aurélio Farias, 39.

A equipe de reportagem de O SÃO GONÇALO flagrou, na manhã de sexta-feira, outros postes acesos durante a manhã na Rua Clementina Vieira, no Galo Branco e na Estrada do Boqueirão, na Estrela do Norte.

Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura de São Gonçalo informou que as reclamações foram encaminhadas para a Subsecretaria de Iluminação Pública, que o serviço começou a ser normalizado em dezembro e a previsão é que todos os pontos sejam consertados em até seis meses.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas