Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,2536 Euro down 5,4905
Search

Família denuncia negligência médica em São Gonçalo

Jovem de 18 anos perde bebê após procurar atendimento em maternidade

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 01 de março de 2018 - 09:00
Rosilene Oliveira, de 37 anos, mostra a foto de Nathália, de 18 anos, que esperava a primeira filha
Rosilene Oliveira, de 37 anos, mostra a foto de Nathália, de 18 anos, que esperava a primeira filha -

Por Marcela Freitas

O significado do nome Luisa é ‘guerreira gloriosa’. Logo que soube que esperava uma menina, a jovem Nathália Oliveira Guimarães, de 18 anos, pensou cuidadosamente no nome que daria a sua primeira filha. A menina, muito esperada, era a concretização de um sonho da dona de casa. Mas ao contrário do que esperava, Luisa não foi entregue aos seus braços.

Após sentir dores na última segunda-feira, a jovem que caminhava para sua 32ª semana de gestação, procurou a maternidade Doutor Mario Niajar, em Alcântara, onde foi atendida na emergência e liberada após exames. A mãe de Nathália, Rosilene Oliveira de França, de 37 anos, contou que ela estava perdendo líquido e, mesmo assim, o médico mandou que ela voltasse para casa e usasse apenas um absorvente.

Nathália voltou a passar muito mal. E na terça-feira, ao retornar para a unidade, ela teve a triste notícia de que sua filha estava morta em seu ventre. “A Luísa era muito aguardada por nós e a perdemos em razão de uma negligência médica. O médico fez o toque e a mandou para casa. Trataram o caso da minha filha como uma indisposição e, na verdade, ela estava perdendo a minha neta”, lamentou Rosilene.

Ela afirma ainda que mesmo após o diagnóstico de óbito fetal, os médicos se recusam a realizar uma cesária de emergência. “Eles deram um remédio para induzir o parto normal. Minha filha está gritando de dor. Tem casos aqui na unidade de meninas que ficaram com o feto morto por oito dias aguardando o parto normal”, contou.

A diretora geral da unidade, Adriana Freire, informou que, durante o primeiro atendimento, a jovem não estava em trabalho de parto. “Ela se queixava de dor embaixo do ventre, foi medicada e liberada porque não havia indicação para internação. A paciente estava sem cartão do pré-natal e em curso de uma gestação prematura. Retornou e não foram sentidos os batimentos e, após exame, foi diagnosticado um problema que pode cursar com óbito fetal durante a gestação. Sobre o procedimento adotado em que se deve expelir o bebê é a melhor opção, principalmente quando não se tem cirurgias anteriores. Até mesmo para diminuir a possibilidade de infecção”, explicou a diretora.

Matérias Relacionadas