Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,2536 Euro down 5,4989
Search

Alunos da rede estadual de São Gonçalo sofrem com a falta de estrutura das escolas

Descaso das unidades se estende a falta de manutenção e reformas

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 18 de fevereiro de 2018 - 08:31
Imagem ilustrativa da imagem Alunos da rede estadual de São Gonçalo sofrem com a falta de estrutura das escolas

Depois de vencerem uma verdadeira batalha para conseguir realizar a matrícula na rede estadual de ensino, tendo até de virar a noite nas filas, alunos de escolas localizadas em São Gonçalo enfrentarão um novo problema durante o ano letivo: a falta de estrutura.

Um caso emblemático sobre o abandono de escolas estaduais em São Gonçalo, e bastante grave, é a interdição do Colégio Coronel João Tarcísio Bueno, no Patronato, que já dura três anos. O local foi interditado pela Secretaria Estadual de Educação após o teto da biblioteca desabar em agosto de 2015. Como nada foi feito no local desde o incidente, todos os alunos foram remanejados para outra unidade, que fica a cerca de 300 metros de distância.

A diretora do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), Maria Beatriz Lugão Rios confirmou que a maioria das escolas estaduais de São Gonçalo necessitam de manutenção.

“Cerca de aproximadamente 70% das unidades da rede, em São Gonçalo, precisam de reformas. Em relação ao Colégio Tarcísio Bueno, nós solicitamos o laudo que comprovava a necessidade de interdição de toda escola, e não apenas do local do desabamento e nunca recebemos. O governo chegou a orçar a obra de reconstrução, mas nunca aconteceu”, disse a dirigente sindical.

Quanto ao Colégio Estadual Coronel João Tarcísio Bueno, a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) limitou-se a dizer que “houve a necessidade de interdição do prédio que abriga a unidade em virtude da queda de parte do telhado, e os alunos estão sendo atendidos no prédio do Ciep 237 - Wladimir Herzog, que fica a cerca de 300 metros do antigo colégio, no mesmo bairro”. A Seeduc, no entanto, não informou se existem planos para reconstruir o telhado e reativar a unidade.

Matérias Relacionadas