Dia da Leitura agita rede municipal de São Gonçalo

Enviado Direto da Redação
A ‘magia das letras’ tomou as unidades educacionais, que promoveram um dia letivo voltado à leitura

A ‘magia das letras’ tomou as unidades educacionais, que promoveram um dia letivo voltado à leitura

Foto: Divulgação

Do bilhete à bula de remédio, ler é essencial no nosso dia a dia. Mas, para os alunos da rede municipal gonçalense, a leitura é uma atividade prazerosa. Nesta sexta-feira (17), a ‘magia das letras’ tomou as unidades educacionais, que promoveram um dia letivo voltado à leitura, em comemoração ao Dia Municipal da Leitura. As turmas também compareceram ao Lavourão, sede da Secretaria de Educação, onde participaram de contação e cantação de histórias.

Para a professora Olivia Maria da Costa, responsável por uma turma do 2º ano do Ensino Fundamental, o incentivo à leitura tem sido constante na sala de aula, priorizando as ideias que surgem dos próprios alunos.

“A leitura está em tudo, no letreiro de uma loja, na letra de uma música. Estimulamos as crianças a trazer o que faz parte do cotidiano delas para a sala. Isso ajuda com os outros conteúdos. Iniciativas como essa são importantes para que eles consolidem esse conceito da leitura como algo bom e divertido. Em muitos casos a escola é a única fonte de incentivo aos livros e às histórias, não porque a família não quer, mas por não ter tido acesso a esse conhecimento e adquirido esse hábito”, pontuou Olivia, que leciona na Escola Municipal Dr. Armando Leão, no Porto Novo.

Fabiana Cristina da Silva, mãe de duas alunas da unidade, percebe que a leitura amplia a criatividade e a forma de se expressar.

“Elas começaram a ler gibis e agora querem estar sempre na biblioteca ou comprando livros o tempo todo. Esse ano conheceram um livro indicado pela escola e, a partir daquela história, criaram uma maquete para uma apresentação. Fez o maior sucesso. Eu fico feliz em ver esse interesse, já que eu mesma, por mais que até goste, não consigo dedicar tanto tempo à leitura, devido à correria do dia a dia. Vejo que a leitura faz diferença no crescimento de cada uma”, conta Fabiana.

Às vésperas de se formar em Gestão Educacional pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj),  a pedagoga Danusa Tederiche promoveu a contação de histórias  e fez o apelo para que o contato com os livros não se perca.

“Já na Educação Infantil, percebemos o interesse da criança pelo símbolos. É um desejo que devemos aproveitar. Atualmente a leitura compete com outros textos, os virtuais e os da imagem, que também têm seu valor. Mas o livro desperta a imaginação e nos impulsiona a ser escritores também, a criar nossas próprias histórias. E isso tem um reflexo incrível no desenvolvimento do aluno como um todo”, acrescenta Danusa.

A programação na Semed também contou com apresentação de uma banda de gaita de foles, recital de poesia e mostra de livros.

Dia L – As atividades do “Dia L” fazem alusão ao Dia Municipal da Leitura, definido no calendário municipal na data de 12 de março, por meio de projeto de lei de autoria de um verador de São Gonçalo. 

Veja também