Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,2536 Euro down 5,5044
Search

O drama de ‘Laurinha’

Casa de gonçalense que ficou famosa vendendo camarão na praia tem risco de desabamento

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 04 de fevereiro de 2017 - 10:30
Laurinha usou estacas de madeira para sustentar teto do imóvel
Laurinha usou estacas de madeira para sustentar teto do imóvel -

Por Thiago Soares

Famosa vendedora ambulante da Praia de Charitas, em Niterói, e conhecida também na internet pelos vídeos vendendo seu produto, Laura Pontes da Silva, a Laurinha do Camarão, de 51 anos, está atravessando um drama pessoal. A casa onde mora com três filhos e seis netos, na Trindade, em São Gonçalo, sofreu diversas infiltrações ao longo dos últimos anos e ameaça desabar.

Moradora do segundo andar do imóvel há mais de 30 anos, Laurinha viu sua casa ser deteriorada pela chuva ano pós ano. Sua mãe, que morava no primeiro andar, preferiu se mudar por falta de condições de moradia no local. “A água da chuva infiltrou ao longo do tempo e foi apodrecendo tudo que havia aqui. O teto está caindo, tivemos que colocar alicerces de madeira para ajudar na sustentação. Minha mãe, que tem 71 anos, teve de se mudar por este motivo”, contou.

Com 10 pessoas morando na mesma casa e apenas duas trabalhando, a renda mensal de aproximadamente um salário mínimo não tem sido suficiente. Apesar de garantir a comida na mesa, não sobra dinheiro para a obra e a segurança dentro da própria casa.

“Tenho medo de fechar meus olhos na hora de dormir e acordar com tudo em cima de mim. Não sobra dinheiro para reformar. Sei que, desta forma, sozinha, vai ser muito difícil eu resolver este problema”, lamentou.

No início de 2016, Laura participou de um programa de televisão, no qual recebeu uma premiação que foi toda destinada à reforma do imóvel. No entanto, o dinheiro não foi suficiente e apenas metade da casa foi reestruturada. “Aquele dinheiro foi coisa de Deus. Chegou no momento certo, mas não foi possível ajeitar a casa inteira. Algumas pessoas acham que ganhei muita coisa e que não faço porque não quero, mas não é bem assim”, explicou.

Tentando recorrer a tudo e a todos, Laura chegou a chamar a Defesa Civil para avaliar a situação do imóvel. Contudo, por ser uma área perigosa, os profissionais do órgão público se assustaram ao entrar na rua e foram embora. “Era super necessário para mim essa avaliação. Porque se eles interditarem minha casa, eu ganharia algum tipo de aluguel da prefeitura, e caso eles retirem a ameaça de desabamento, eu iria conseguir dormir tranquilo ao lado dos meus filhos e netos”, disse esperançosa.

Trabalho - Mesmo com problemas, Laura mantém sorriso no rosto na hora de trabalhar. Apesar de todos os problemas, sua alegria e seu jeito extrovertido de vender camarão não mudam. Ao som de funk, que anuncia seu produto, a comerciante caminha pelas areias de Charitas cativando sua clientela e conquistando amigos.

“Sou cliente da Laurinha há mais de 10 anos e sempre a vejo com um belo sorriso no rosto. Sei de todas as dificuldades que ela passa e acompanho de perto. Sou um dos mais fieis cliente dela”, disse o analista de suporte Jorge Ferreira, de 53 anos, no mesmo momento que dava parabéns a comerciante pelo seu aniversário. A cada metro percorrido na orla, Laurinha é cumprimentada por uma pessoa diferente. Simpática e dona de um imenso sorriso, ela trata da mesma forma clientes e amigos. Segundo ela, este é um dos segredos da boa venda, nos últimos 15 anos. “Eu tenho muitos problemas na vida, em casa, mas não posso chegar de cara fechada no meu trabalho. Se eu chegar assim, tenho certeza de que não venderei nada”, explicou.

E as palavras de Laura são confirmadas a cada cliente que ela aborda. Uma das mais antigas compradoras do camarão da Laurinha, Márcia Nunes, de 53 anos, contou como a comerciante passa o dia na orla.

“Frequento esta praia há 15 anos e desde então conheço a Laura. Ela já passou por terríveis problemas, mas nunca mudou sua forma de trabalhar. Acho que até por isso, e pelo maravilhoso camarão, compro com ela durante todo esse tempo”, disse a cliente e amiga.

Matérias Relacionadas