Cenarte em busca de um sonho!

Enviado Direto da Redação
Jovens ensaiam no Cenarte com a esperança de atuarem no "Festival de Dança de Florianópolis – Prêmio Desterro"

Jovens ensaiam no Cenarte com a esperança de atuarem no "Festival de Dança de Florianópolis – Prêmio Desterro"

Foto: Luiz Nicolella
Por Kimberly Mello
Devido à difícil situação financeira que a escola e pais dos alunos se encontram, a Casa de Cultura Cenarte Dimensões pode ter um sonho interrompido: o de participar do "Festival de Dança de Florianópolis – Prêmio Desterro", considerado um dos mais importantes do Brasil.
A Cenarte foi a única selecionada de São Gonçalo, e uma das poucas do Rio de Janeiro, para participar do festival, onde somente as grandes companhias de danças do mundo inteiro participam. De seis coreografias enviadas, três foram aprovadas para o Prêmio Desterro: "Na Beira da Estrada Poeira na Cangalha", categoria Jazz Grupo; "Nem Sempre Será", Duo Contemporâneo; e "Ebony", Duo de Danças Urbanas.  “É uma oportunidade muito boa, pois divulga tanto a academia, quanto a nós, que queremos seguir essa carreira que não é nada fácil. Ensaiamos pesado todos os dias para melhorar cada vez mais. Esse festival é um incentivo para mostrarmos que em nossa cidade também tem cultura”, explica a bailarina Ana Vitória, de apenas 13 anos.
Os integrantes da Cenarte estão vivendo semanas de muita tensão e expectativa, pois não conseguiram levantar o valor necessário para a viagem dos 15 dançarinos, além de alguns responsáveis e da equipe técnica. Eles não têm qualquer tipo de apoio da Prefeitura ou patrocínio, tornando impossível para os pais e a escola arrecadarem os R$ 15 mil necessários até o dia 1° de setembro deste ano. “Nosso apelo é para que a Prefeitura e empresários olhem por nós! Nesse festival somos os únicos a representar São Gonçalo. Sempre trazemos prêmios importantes para a cidade, mas não temos como alçar vôos mais altos por falta de apoio. Peço para que alguém se mobilize, não precisa doar a quantia toda, mas que pelo menos, apadrinhe algum jovem. Isso já ajudaria muito!”, pede o diretor da companhia, Igor Lopes.
Muitos dos alunos selecionados fazem parte do projeto social “Além das Fronteiras do Movimento”, que é totalmente custeado pelos diretores da academia, Igor Lopes e Alinne Kelly. Nele, os alunos participam das aulas gratuitamente, além de receberem ajuda no transporte e alimentação.
O Convite
O convite para participar do "Festival de Dança de Florianópolis – Prêmio Desterro" surgiu de uma pré-seleção feita por vídeo, pela comissão julgadora, como lembra a diretora Alinne Kelly. "E cada um desses vídeos teve a cobrança de uma taxa de envio. Após selecionados e aprovados, também foi paga outra taxa, mas dessa vez de participação, por cada integrante. Tudo isso custeado por nós", comenta. Apesar da falta de patrocínio, o grupo não se deixa abater: estão sempre fazendo rifas, faxina, vendem quentinha e pedem doações na rua. "Eles sempre dão o máximo para conseguir dinheiro para participar dos festivais de dança”, afirma com orgulho, a diretora.
Vaquinha
Os jovens também criaram a “Vakinha Eletrônica”, porém até agora arrecadaram apenas R$ 80. Se quiser ajudar esses talentos, você pode doar qualquer quantia clicando aqui ou pode se tornar o padrinho de algum jovem. Qualquer ajuda será bem-vinda!  Para mais informações, basta entrar em contato pelo telefone 2604-8570 ou comparecer na Casa de Cultura Cenarte Dimensões, localizada na Rua Doutor Francisco Portela, 2530, no bairro Camarão, em São Gonçalo. 

Veja também