Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 4,9892 | Euro R$ 5,4003
Search

Idosa é declarada morta por engano e vai parar viva em necrotério

Mulher de 90 anos acabou falecendo, de fato, dois dias depois

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 30 de novembro de 2023 - 16:55
Paciente foi colocada viva em saco no necrotério, em Florianópolis, Santa Catarina
Paciente foi colocada viva em saco no necrotério, em Florianópolis, Santa Catarina -

Uma mulher de 90 anos foi colocada em um saco e levada ao necrotério enquanto ainda estava viva em Florianópolis, capital de Santa Catarina. Declarada morta no sábado (25) pela unidade de saúde onde estava internada, a idosa só faleceu de fato na segunda (27), após o episódio. A família pretende entrar com um processo na Justiça contra o hospital.

O episódio aconteceu no Hospital Regional de São José. Norma Silveira da Silva chegou ao hospital na sexta (24), desacordada. Ela já fazia tratamento na unidade por conta de um problema no fígado. Na noite de sábado (25), às 23h40, a unidade emitiu uma declaração de óbito para ela e comunicou a morte para seus familiares.


Leia também

➢ Jovem que esperava quíntuplos perde bebês

➢ Falta de energia causa prejuízo de R$ 360 mil a unidades de saúde de São Gonçalo


Já na madrugada de sábado (30), porém, um funcionário de um crematório contratado pela família percebeu que Norma ainda estava respirando quando chegou ao necrotério para despachar o corpo. Após abrirem o saco onde ela estava, foi confirmado que a idosa ainda estava viva.

Declaração de óbito chegou a ser emitida no sábado (25), enquanto idosa ainda estava viva
Declaração de óbito chegou a ser emitida no sábado (25), enquanto idosa ainda estava viva |  Foto: Reprodução

Ela chegou a ser levada de volta ao leito do hospital, mas acabou não resistindo e veio à óbito na madrugada de segunda (27), de acordo com a família. A verdadeira causa da morte não foi divulgada.

Pessoas próximas a família confirmaram que seus parentes planejam entrar com um processo contra o Hospital, que já é alvo de um processo de sindicância aberto pela Secretaria de Saúde do estado após o caso. O Comitê de Ética Médica e a Comissão de Óbito também foram acionados e apuram o episódio.

Matérias Relacionadas