Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1937 | Euro R$ 5,5292
Search

‘Dependência virtual afeta pessoas de diferentes idades’, alerta psicoterapeuta

Qualquer tipo de dependência causa no ser humano uma prisão que ele às vezes, nem percebe

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 24 de fevereiro de 2023 - 13:53
Psicoterapeuta Sandra Salomão, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora da PUC-Rio
Psicoterapeuta Sandra Salomão, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora da PUC-Rio -

Qualquer tipo de dependência causa no ser humano uma prisão que ele às vezes, nem percebe. Uma delas é a dependência tecnológica que tem sido um problema recorrente especialmente quando se trata dos mais jovens. O tema que está sendo mostrado na trama das 21h de Glória Perez, com o personagem Théo não está apenas na ficção. Especialistas em saúde mental revelam que os casos da dependência virtual já fazem parte da vida real de muitas pessoas de diferentes idades.

A psicoterapeuta Sandra Salomão, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e professora da PUC-Rio, afirmou que os casos têm sido motivos de grande preocupação e conflito nas famílias, que na maioria das vezes não estão prontas para lidar com o “status on” durante todo o dia. 

“Do ponto de vista emocional e social qualquer ato exagerado é preocupante. Ainda em debate pela ciência, a dependência à Internet tem sido pensada como um transtorno da personalidade ou como uma disfunção mental e emocional grave. Esta dependência pode provocar um afastamento excessivo do contato humano com parceiros, amigos e familiares, afeta os estudos, o trabalho e escapa do controle do usuário, que muitas vezes não consegue diminuir o uso das conexões, mesmo desejando fazê-lo”, explicou Salomão, que também é terapeuta de famílias e casais.

É inegável que hoje, estar conectado ou em frente às telas ou com os smartphones faz parte da rotina de boa parte da população.  Para os pais, resta o medo que essa geração nascida em meio às tecnologias, queiram cada vez mais fazer parte disso, o que para eles é normal. Mas a especialista alerta que é preciso ficar atento quando a utilização da rede começa a ultrapassar limites e a interferir em diferentes áreas da vida.

“A dependência tecnológica deve ser encarada como um comportamento que exige um acompanhamento profissional. No caso de crianças e jovens, alguma questão relativa ao sistema familiar ou ao desenvolvimento do jovem pode estar ligado a fuga ou compensação afetiva. A orientação é sugerir ações com maior envolvimento em rotinas familiares que envolvam responsabilidade, quanto em atividades  que tenham um prazer em conjunto”, disse.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que adolescentes com idades entre 11 e 18 anos façam uso dessas tecnologias por um período de 2 a 3 horas por dia mas, na maioria dos casos, a realidade é bem diferente.

De acordo com a especialista, o excessivo envolvimento com a dependência tecnológica deixa de fora o prazer e o investimento em áreas como relacionamentos afetivos, sexuais, atividades de esporte e assim por diante. O uso prolongado de aparelhos como celulares, tablets ou computadores pode influenciar diretamente na saúde mental e colaborar para o desenvolvimento ou intensificação da depressão, ansiedade, hiperatividade, transtornos de déficit de atenção, entre outros quadros de prejuízos à saude.

Matérias Relacionadas