Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1515 | Euro R$ 5,5085
Search

Camperj promove evento contra o racismo

Ocasião será marcada pelo lançamento de cartilha informativa

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 23 de janeiro de 2023 - 17:12
Esta é a primeira de uma série de cartilhas institucionais que serão lançadas ao longo do ano, sempre acompanhada de debates
Esta é a primeira de uma série de cartilhas institucionais que serão lançadas ao longo do ano, sempre acompanhada de debates -

A Caixa de Assistência do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (Camperj) realiza, às 10h desta terça-feira (23), em sua sede no Centro do Rio, um debate sobre o racismo e ações destinadas a combatê-lo. Colaboradora do Jornal O São Gonçalo, a estudante de jornalismo Tatiane Alves é uma das convidadas.

Criada com propósito de levar mais saúde e qualidade de vida aos membros do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro e aos seus dependentes, a Camperj visa também debater e trazer reflexões acerca das desigualdades que marca a história da população negra brasileira.

Na ocasião, será lançada a cartilha “O que é racismo?” elaborada pela Superintendência e Setor de Comunicação da instituição. Com quase quatro mil beneficiários, a Superintendente Claudia Simões explica os motivos da criação deste evento.

“O objetivo é contribuir para o aprimoramento da integração institucional e para o combate ao racismo, às discriminações e aos preconceitos, pois durante nossa vida, ouvimos discursos que reproduzem o racismo e a discriminação, reforçando estereótipos e estigmas”, disse Claudia.

Esta é a primeira de uma série de cartilhas institucionais que serão lançadas ao longo do ano, sempre acompanhada de debates. Estão previstas para 2023 temas como Inclusão Social, Sustentabilidade e Direitos à comunidade LGBTQUIAP+.

Repórter no jornal O São Gonçalo e também fundadora da Domas Comunicação – agência de comunicação na área artística e cultural, Tatiane, que é uma mulher negra, sabe da importância desses debates no último país das Américas a abandonar a escravidão e que o fez sem que fossem adotadas políticas de reparação, sendo essa ausência a base da desigualdade social brasileira.

“Sabe-se que o racismo no Brasil se manifesta por diversas formas. É muito conhecida, por exemplo, a dificuldade de acesso de negros a cargos e empregos públicos. Por isso, acho importante o Camperj trazer este e outros temas para seus funcionários e beneficiários. É uma forma de ajudar quebrar velhos preconceitos”, comenta.

Com 41 anos de existência, a iniciativa da Camperj corrobora com seu intuito de manter a qualidade, atenção com o futuro e a busca constante por melhorias internas e externas.

Matérias Relacionadas