Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara completa dois anos

Mais de 3.300 vítimas da Covid-19 passaram por lá

Escrito por Redação 01/05/2022 15:27, atualizado em 01/05/2022 15:27
O Che foi fundamental como referência no atendimento aos pacientes com coronavírus, dando suporte à população de Maricá e toda Região Leste Fluminense
O Che foi fundamental como referência no atendimento aos pacientes com coronavírus, dando suporte à população de Maricá e toda Região Leste Fluminense . Foto: Divulgação

O povo de Maricá comemora neste domingo (1º/05), Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, os dois anos da inauguração do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara, em São José do Imbassaí. Desde a sua abertura, em 2020, mais de 3.300 vítimas da Covid-19 passaram pelos cuidados dos dedicados profissionais de saúde, milhares de vidas foram salvas e sonhos recuperados. Um novo momento o espera, o hospital vai realizar cirurgias nos próximos meses, reduzindo a fila de espera do Sistema Único de Saúde (SUS) com moradores que precisam se deslocar longas distâncias para fazer os procedimentos.

O Che foi fundamental como referência no atendimento aos pacientes com coronavírus, dando suporte à população de Maricá e toda Região Leste Fluminense, composta por 16 municípios, como Armação dos Búzios, Cabo Frio, Casimiro de Abreu, Itaboraí, Niterói, Rio Bonito e São Gonçalo. Além disso, mais de 17 mil exames de imagens foram feitos no período, entre ultrassonografia, endoscopia, raio-x e tomografia, este último em um dos aparelhos mais modernos do Estado do Rio de Janeiro: um tomógrafo Canon de alta complexidade, com 128 canais – os modelos comuns tem de 8 a 16 canais –, que fará da unidade também um centro para pesquisas avançadas em outras áreas, como a coronariana.

“O Che Guevara cumpriu o seu papel na assistência e cuidado de qualidade àqueles que foram acometidos por essa grave doença ao longo desses anos. Agora, estamos vivendo uma fase, de recomeço e, para isso, estamos preparando o hospital para ser referência em cirurgias do município, ampliando a capacidade de execução de procedimentos em nossa cidade”, explicou a secretária municipal de Saúde de Maricá, Solange Oliveira.

Legado para Maricá e exemplo para o Brasil

A unidade conseguiu não só integrar toda a rede local de combate à pandemia, ampliando a capacidade total de atendimento na cidade, mas também criando um fluxo eficiente com anteparo do Hospital Conde Modesto, do Posto Santa Rita e da UPA de Inoã. A estrutura de 10 mil m² de área construída e 13 mil m² de área total, tornou-se um legado para a cidade e para Estado, unindo qualidade e segurança.

Uma atuação, por sinal, que não passou incólume na atenção da mídia, principalmente internacional: duas das maiores agências de notícias internacionais do mundo, a americana Associated Press, e a francesa Agência France Presse, elegeram o Che Guevara como o exemplo brasileiro de ação bem sucedida contra a Covid-19. As duas agências enviaram correspondentes internacionais ao hospital, que produziram reportagens distribuídas em inglês e em francês para mais de 100 países em todo o mundo.

Estrutura de alto nível e profissionais capacitados geram admiração

Tecnologia somada a equipamentos de ponta são o que não faltam ao hospital, que conta com mais de mil colaboradores. Na segunda-feira (02/05), haverá uma comemoração simples e simbólica, dedicada aos funcionários que fazem o serviço acontecer. A enfermeira responsável pelo Centro de Terapia Intensiva (CTI) 3, Alana Priscilla Viana, 29 anos, relatou o orgulho de vestir a camisa do Che, que garante o suporte necessário para a execução de um bom trabalho.

“É incrível trabalhar aqui! Posso dizer com toda certeza que o Che mudou a minha vida profissional. Primeiro, por toda a experiência no enfrentamento à pandemia, segundo pelo cuidado diferenciado, tanto pela estrutura oferecida aos profissionais e pacientes, quanto pela assistência humanizada que prestamos aqui. Tenho muito orgulho de fazer parte desse time. Parabéns ao Che!”, enfatizou.

Relato de agradecimento e admiração que também vem de um paciente, Douglas Moraes, de 43 anos, morador de Itaipuaçu, internado para tratar uma infecção urinária e impressionado com a infraestrutura disponível no local. “Já passei por diversos hospitais, inclusive particulares, em vários lugares do Brasil, mas confesso que estou surpreso com a qualidade do atendimento daqui. Por ser hospital municipal, creio que deveria ser um exemplo para outros do Brasil, mostrando que é possível oferecer um serviço de saúde de qualidade para as pessoas que mais necessitam”, destacou o paciente.

Vacinação e redução dos casos da Covid-19 fazem hospital mudar de perfil

O avanço da imunização contra a Covid-19, que já alcança mais de 133 mil moradores de Maricá, ou seja, 93,6% das pessoas acima de 12 anos, e o crescimento da cobertura da dose de reforço dos adultos – cerca de 61%, 78 mil imunizados – fez com que o hospital chegasse ao menor cenário de ocupação de vítimas do coronavírus desde a abertura dos leitos: em 30 dias, apenas um paciente foi internado com Covid-19.

A nível de comparação, em abril de 2021, auge da contaminação pela doença naquele ano, 116 pacientes chegaram a ficar internados ao mesmo tempo no local. Com o atual panorama de melhora da pandemia, a unidade entrará em uma nova fase a médio prazo. Para isso, a Secretaria de Saúde trabalha na transformação do hospital Che Guevara em referência cirúrgica, com previsão de início dos procedimentos no segundo semestre deste ano.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas