Estado investe R$ 18 milhões no Carnaval 2022 da Marquês de Sapucaí

Aporte financeiro, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, foi repassado às escolas de samba do Grupo Especial

Escrito por Redação 23/04/2022 13:38, atualizado em 23/04/2022 13:31
Marquês de Sapucaí
Marquês de Sapucaí . Foto: Divulgação

O Governo do Estado investiu, em 2022, R$ 18 milhões no Carnaval da Marquês de Sapucaí. O aporte financeiro - por meio da Lei de Incentivo à Cultura - foi viabilizado junto à Light e repassado às escolas de samba do Grupo Especial. As seis primeiras desfilaram no Sambódromo, nesta sexta-feira (22/04), encantando moradores e turistas. A iniciativa tem o objetivo de fomentar as atividades culturais neste período de retomada da economia fluminense. Com o sucesso da vacinação em todo o Rio de Janeiro, os casos de Covid-19 estão controlados. A ação, que possibilitou o retorno dos desfiles das agremiações no mês de abril, movimenta diversos setores econômicos, entre eles, o do turismo e da geração de emprego e renda.

"Carnaval é alegria e movimenta a nossa economia, enriquece a nossa cultura. A economia circular nesta época que é fundamental para muitas famílias. É importante também para os hotéis, bares e restaurantes. Estamos felizes em ver mais uma vez esse sucesso, este lindo espetáculo", afirmou o governador em entrevista na chegada à Marquês de Sapucaí.

Cláudio Castro lamentou a morte da menina Raquel Antunes da Silva, de 11 anos, vítima em acidente envolvendo um carro alegórico da escola Em Cima da Hora.

"Não tem como não nos sensibilizarmos e, por isso, quero expressar minha solidariedade à família. O governo do estado tem prestado assistência psicológica e a Polícia Civil está investigando o caso para que tudo seja apurado o mais rápido possível. O carro já foi apreendido. Será apontado o que aconteceu", disse Castro.

Apoio essencial

A partir dos recursos viabilizados pelo Governo do Estado junto à iniciativa privada as 12 escolas do Grupo Especial puderam desenvolver seus enredos e auxiliar na confecção das fantasias, alegorias e adereços. Além disso, carnavalescos, mestres-salas e porta-bandeiras, bailarinos, coreógrafos e diretores de carnaval de cada uma das agremiações foram beneficiados com o incentivo, principalmente após um cenário de incertezas devido à crise sanitária causada pela pandemia.

Recursos para o Fundo Estadual de Cultura

Parte dos recursos, em torno de R$ 3 milhões, foi destinada ao Fundo Estadual de Cultura. Isso representa 20% do valor destinado e, entre outras ações, poderá ser utilizado para custear editais que beneficiam produtores culturais, artistas e iniciativas em todo território fluminense.

"Realizamos, nos últimos dois anos, 15 editais que somam mais de R$ 170 milhões de investimento em projetos artísticos em todas as regiões do estado. A cultura tem cumprido seu papel na geração de emprego, renda e oportunidades para as pessoas com o apoio direto do governo", afirmou a secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, Danielle Barros.

Primeiro dia de desfiles

Passaram pela Sapucaí nesta sexta-feira, Imperatriz Leopoldinense, Mangueira, Salgueiro, São Clemente, Viradouro e Beija-Flor. Os desfiles contaram, nos enredos da vermelha e branca da Tijuca e da escola de Nilópolis, as histórias da cultura e resistência negra como formadora da identidade do povo brasileiro.

Atual campeã do Carnaval, a Viradouro lembrou a pandemia da Covid-19, traçando um paralelo com a epidemia da gripe espanhola em 1919. Já a São Clemente também falou sobre o coronavírus e uma de suas vítimas mais emblemáticas: o humorista Paulo Gustavo. A primeira a pisar na Avenida foi a Imperatriz, que homenageou o carnavalesco Arlindo Rodrigues, um dos nomes importantes da escola da região da Leopoldina da capital.

Neste sábado (23), mais seis escolas vão passar pela Sapucaí - Paraíso do Tuiuti, Portela, Mocidade, Unidos da Tijuca, Grande Rio e Vila Isabel.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas