Inocentes de Belford Roxo, na Baixada, levou ancestralidade e negritude para a avenida

A escola foi a segunda a desfilar hoje (21) na Marquês de Sapucaí

Escrito por Ana Carolina Moraes 22/04/2022 00:10, atualizado em 22/04/2022 00:10
A escola trouxe muita ancestralidade para a avenida
A escola trouxe muita ancestralidade para a avenida . Foto: Reprodução/Internet

O clima na Sapucaí continua sendo de felicidade e ressurgimento nesse primeiro Carnaval após a pandemia da Covid-19. Mais um exemplo disso foi a segunda escola que se apresentou nesta noite (21), a Inocentes de Belford Roxo, com o enredo “A Meia-Noite dos Tambores Silenciosos”, narrando uma festa que ocorreu durante o Carnaval, em Pernambuco há mais de 50 anos. A ideia do samba foi falar também de ancestralidade e de negritude.

Sob o comando de mestre Juninho, na bateria, e com os intérpretes Luizinho Andanças (ex- Porto da Pedra), Tem-Tem Sampaio e Silas Leleu, a escola entrou com garra na avenida e arrancou aplausos do setor 1 para. a Rainha de Bateria, Natália Lage.

Ao longo do desfile a Inocentes demonstrou um entrosamento com o público, que cantou o samba da escola, enquanto as alas evoluíam com temas importantes como o 'Black Lives Matter' (Vidas Negras Importam), e homenagens a figuras dos cultos africanos, como Xangô, Nagô, Oyá, Egum, entre outros. "O samba é um local de descendência, de ancestralidade e que não abre margem para preconceitos, assim como a Noite dos Tambores", disse o presidente da escola Reginaldo Ferreira Gomes.

A escola trouxe 17 alas, dentre elas a 'Oyá Igbalé', 'Resistência Africana', 'Irmandade dos homens pretos' e outras, além de três carros e dois tripés. A Inocentes se destacou pela dança, pelo canto dos membros da escola e pelas alegorias com diversos brilhos e pedras. O carro abre-alas, o 'Tambores para os ancestrais', apresentou, no entanto, um problema na pista: ele não conseguia seguir em linha reta, exigindo muito cuidado do pessoal da harmonia que teve que conduzir o veículo da melhor forma.  

Na última quarta-feira (20) desfilaram as primeiras sete escolas da Série Ouro: a 'Em Cima da Hora', a 'Acadêmicos do Cubango', a 'Unidos da Ponte', a 'Unidos do Porto da Pedra', a 'União da Ilha do Governador', a 'Unidos de Bangu' e a 'Acadêmicos do Sossego'. Juntamente com as escolas de ontem, as de hoje estão competindo para conseguir uma vaga no Grupo Especial no próximo ano.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas