Páscoa 2022: consumidores pretendem gastar mais que em 2021

Pesquisa foi realizada pela Boa Vista, empresa de inteligência analítica

Escrito por Redação 14/04/2022 13:43, atualizado em 14/04/2022 14:31
Será a primeira vez que situação acontece, em quatro anos
Será a primeira vez que situação acontece, em quatro anos . Foto: Divulgação

A maior parte dos consumidores que vão às compras nesta Páscoa pretende gastar mais que em 2021, de acordo com pesquisa realizada pela Boa Vista, empresa de inteligência analítica. 44% dos consumidores afirmam que os gastos esse ano serão maiores que no ano anterior. Outros 34% pretendem manter os mesmos gastos do ano passado, enquanto 22% vão gastar menos nessa Páscoa. É a primeira vez em quatro anos que a situação ocorre, conforme ilustrado no gráfico abaixo. 

 

| Foto: Divulgação
 


Entretanto, apenas 34% dos consumidores pretendem fazer compras para a Páscoa de 2022. Entre os 66% que não pretendem comprar nesta data comemorativa, a maioria, 33%, não o fará por conta da necessidade de priorizar o pagamento de contas do dia a dia. 17% dizem que não costumam fazer compras de Páscoa, e outros 13% afirmam que o aumento dos preços dos produtos (inflação) será o motivo para não comprar. 

“A pesquisa revela um salto na pretensão de gastos do consumidor para data, causado mais pelo aumento dos produtos, devido à inflação crescente em 2022, do que pelo maior volume de compras por parte do consumidor, uma vez que a maioria não irá comprar nessa data”, explica Flavio Calife, economista da Boa Vista. 

Quando questionados sobre o que levarão em conta na hora de comprar ou não um produto ou serviço para essa Páscoa, 36% dos consumidores responderam que levarão em conta principalmente o preço. Em seguida, 29% levarão em conta a qualidade do produto/serviço desejado. Já 25% vão fazer as compras levando em conta a necessidade. 

65% dos que farão compras pretendem pagar à vista, e os outros 35% de forma parcelada. Entre os que farão o pagamento à vista, o meio de pagamento mais utilizado será o cartão de débito (42%), seguido do dinheiro (25%), e do Pix (23%). Já entre quem vai parcelar, a maioria (90%) utilizará o cartão de crédito. 

Produtos mais procurados e local de compra 

Os chocolates, conforme esperado, serão os produtos mais procurados (41%) para as compras de Páscoa. 18% dos consumidores pretendem comprar outros alimentos e bebidas, enquanto outros 7% pretendem comprar eletrodomésticos e móveis para a data. 

Os locais mais procurados pelos consumidores para a realização de compras para a data serão os físicos. 52% farão as compras em supermercados, 17% nas grandes lojas varejistas, 12% nas lojas de rua, 11% nos shoppings centers e apenas 8% no e-commerce. 

Entre os 8% que farão as compras on-line, 10% dizem que o motivo é o receio de frequentar lojas físicas por conta da pandemia, enquanto 90% o farão por já possuírem esse hábito e por preferirem as compras on-line. 

Percepção econômica do consumidor em 2022 

A Boa Vista também questionou o consumidor sobre sua percepção quanto ao poder de compra atual. 40% dos consumidores acreditam que o poder de compra está maior do que em 2021. 31% creem que está igual, ao passo que 29% enxergam uma piora.  

Os serviços essenciais, como alimentação, luz, gás e combustível são os gastos que estão pesando mais no bolso, de acordo com os consumidores. Para 67%, está difícil manter os pagamentos das contas em dia. 

54% dos consumidores afirmam ter adotado novos hábitos de compra para enfrentar os aumentos dos preços. O principal novo hábito adotado é o corte de gastos, principalmente em relação a lazer e itens considerados supérfluos.  

Metodologia 

A Pesquisa Hábitos de Consumo para a Páscoa, elaborada pela Boa Vista, entrevistou cerca de 500 consumidores em diferentes regiões do país. O universo é representado por consumidores que buscaram informações no site Consumidor Positivo da Boa Vista (www.consumidorpositivo.com.br), assim como do mercado. Para leitura geral dos resultados, deve-se considerar 90% de grau de confiança e margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. 

A Boa Vista, empresa brasileira de inteligência analítica, foi criada em 2010 a partir do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o primeiro banco de dados do país, consolidando-se como referência no apoio à tomada de decisão em todas as fases do ciclo de negócio. 

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas