Hospitais investem na fisioterapia para recuperação mais rápida dos pacientes

Ação tem o objetivo de prevenção e redução de complicações e sequelas

Escrito por Redação 14/04/2022 10:23, atualizado em 14/04/2022 10:23
Todo o trabalho faz parte da equipe multidisciplinar de um hospital
Todo o trabalho faz parte da equipe multidisciplinar de um hospital . Foto: Divulgação

A fisioterapia tem um papel fundamental para a recuperação de pacientes com múltiplos traumas, AVCs e pós covid-19 internados principalmente nos Centros de Tratamento Intensivo (CTI). Esses pacientes, os que tem muito tempo de internação hospitalar, apresentam, após este período, déficit de força muscular, diminuição de expansibilidade pulmonar, alteração em seu equilíbrio e coordenação, dentre outras limitações.

Nos Hospitais Estaduais Alberto Torres (Heat), em São Gonçalo, e João Batista Cáffaro, em Itaboraí, os profissionais de fisioterapia se revezam diariamente entre os 363 leitos de internação das unidade de saúde e também na área externa, que conta com um belo, verde e florido jardim. Toda a ação tem o objetivo de prevenção e redução de complicações e sequelas, levando o paciente a ter uma melhor qualidade de vida.

Internado há dois meses no CTI do Heat, o pedreiro Elias Pereira dos Santos, de 54 anos, faz todos os dias fisioterapia respiratória no leito e a motora pelos jardins do hospital. “Este trabalho é muito importante. O atendimento aqui é ótimo. São todos muito atenciosos”, garante o paciente.

O pedreiro deu entrada no Alberto Torres após sentir forte dor abdominal quando chegava no trabalho. Foi socorrido e levado à UPA de Santa Luzia e, em seguida, transferido para o Centro de Trauma do Heat. Ele foi avaliado, estabilizado e operado. Enquanto aguarda por um outro procedimento em uma unidade especializada, Elias Pereira vem recebendo toda atenção da equipe multiprofissional do hospital.

Pelos corredores e jardins do Heat você também encontra a adolescente Bruna Oliveira Silva, de 16 anos. Com complicações devido a diabetes tipo 1, volta e meia ela entra pela emergência da unidade e é assistida por toda equipe multiprofissional do hsopital. A mãe da paciente, Claudia Joana de Oliveira, também é só elogios ao atendimento.

"A Bruna é muito bem assistida aqui. Este processo de fisioterapia é muito importante, porque ela sai da cama, anda, pega sol, se movimenta. A fisioterapia motora e respiratória são essências", garante a mãe da estudante do primeiro ano do ensino médio.

A fisioterapeuta Rosangela Marques garante que todo o trabalho faz parte da equipe multidisciplinar de um hospital e tem como objetivo principal a recuperação funcional dos pacientes, desenvolvendo a eles o funcionamento dos sistemas respiratório, neurológico e motor. Ela destaca que somente no mês passado foram realizados cerca de 16 mil procedimentos de fisioterapia no Hospital Estadual Alberto Torres, sendo mais de quatro mil no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) pediátrico.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas