Marcada por confusão e gritaria, sessão para votação do plano de carreira municipal da Educação ocorre em SG (vídeos)

Profissionais se opõem à mudanças e alegam que elas foram feitas sem que a classe fosse consultada. Prefeitura de SG diz que atendeu principais reivindicações da categoria

Escrito por Daniel Magalhães 15/12/2021 07:47, atualizado em 14/12/2021 20:45
Manifestantes da classe chegaram ao local por volta das 15h
Manifestantes da classe chegaram ao local por volta das 15h . Foto: Filipe Aguiar

Membros do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação - São Gonçalo (Sepe - SG), além de professores, merendeiras, inspetores e outros profissionais da rede municipal de ensino se reuniram, nesta terça-feira (14), às 15h, na Câmara dos Vereadores da  cidade para se manifestarem contra as alterações do plano de carreira da categoria proposto pelo poder municipal e acompanhar a votação no plenário que vai decidir o futuro da classe. Os profissionais foram ao local pedir participação na decisão, já que as novas regras foram estabelecidas, segundo os ptrofissionais, sem que a categoria fosse consultada, como é determinado no Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado em 2019.

Por volta das 15h10, os mais de 80 manifestantes se reuniram em frente ao prédio da Câmara Municipal e gritaram palavras de ordem contra o prefeito e a decisão. "Educação na rua, prefeito a culpa é sua" e "Somos guerreiros da Educação", gritavam os manifestantes. No local, estavam presentes viaturas da Polícia Militar e da Guarda Municipal. Poucos minutos depois, a Câmara protagonizou uma confusão entre os manifestantes, a polícia e vereadores. O motivo seria a restrição do acesso ao plenário para acompanhar a votação. Segundo os manifestantes, a polícia estaria proibindo o acesso deles aos pátios da Câmara. Um dos policiais, no entanto, disse que a Guarda Municipal e a PM estavam no local apenas para conter possíveis excessos ou evitar que algum manifestante pulasse a catraca de acesso ao prédio público. 

Cessada a confusão, mais de 70 manifestantes ocuparam todas as cadeiras do plenário para acompanhar a votação. No local, profissionais de educação se pronunciaram antes da sessão começar e gritaram mais palavras de ordem. "É muito bom chegar aqui e ver essa Câmara cheia, ver que a galera veio para lutar e manter as conquistas históricas da categoria. A gente vai fazer pressão aqui hoje, mas a luta não acaba com o que acontecer aqui hoje.", disse uma das manifestantes. "O ataque não é mais ao TAC, o ataque é ao plano de carreira. Isso tá muito claro. Hoje aqui é sem medo de gritar, sem medo de gritar com essa revolta que estamos aqui.", completou.

De acordo com uma das diretoras do Sepe, a professora Elda Pimentel, o novo plano de carreira proposto pela Secretaria de Educação do município prevê o fim dos triênios, do adicional de qualificação e traz outras exclusões. Além disso, a prefeitura estaria descumprindo uma cláusula do TAC que diz que o plano de carreira só pode ser alterado após uma plenária com a categoria da Educação, o que não teria acontecido.

Através da Assessoria de Imprensa, a Prefeitura de SG emitiu a seguinte nota oficial sobre o caso: "A Prefeitura de São Gonçalo informa que as alterações atendem as principais reivindicações da categoria. O município já vinha dialogando, reuniu-se recentemente para tratar do assunto na Secretaria de Educação, inclusive com a presença de vereadores e representantes dos profissionais, e buscou equacionar tais reivindicações às orientações do Ministério da Educação. O novo plano garante a irredutibilidade dos salarios, um reajuste de mais de 40% para quem ganhava menos do que o piso nacional, maior clareza nos critérios de promoção, mantendo as gratificações por tempo de serviço e titularidade. O plano eleva a base de cálculo para fins de aposentadoria, garante tempo de preparação de aula dentro da carga horária total. Por fim, o município concedeu abono a todos os profissionais, relativo ao repasse do Fundeb, aprovado por unanimidade", informa a nota oficial.

/Manifestantes da classe chegaram ao local por volta das 15h
Manifestantes da classe chegaram ao local por volta das 15h. Foto por Filipe Aguiar
/Todas as cadeiras da assistência do plenário foram ocupadas pelos manifestantes
Todas as cadeiras da assistência do plenário foram ocupadas pelos manifestantes. Foto por Filipe Aguiar

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas