Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,0950 Euro up 5,2611
Search

Líder do 'CV' instaura 'terror' em bairro histórico de São Gonçalo

Ricardo Severo, o 'Faustão', está foragido da polícia desde 2015 e divide áreas do Complexo do Salgueiro com Antônio Ilário Ferreira, o 'Rabicó'

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 29 de agosto de 2021 - 17:18
Ricardo Severo, o 'Faustão'
Ricardo Severo, o 'Faustão' -

Um dos líderes do Comando Vermelho em São Gonçalo, Ricardo Severo, mais conhecido como Faustão, transformou a Praia da Luz, uma das mais belas e históricas regiões da cidade, em um refúgio para traficantes e foragidos da polícia. As informações são do Jornal O Dia. A reportagem do diário carioca mostra como é a divisão de territórios no Complexo do Salgueiro, que tem as demais regiões sob o comando de Antônio Ilário Ferreira, o Rabicó.

Segundo levantamentos da polícia, Itaóca está sob domínio do traficante Faustão há quase seis anos. Lá, um  dos 'cartões postais de São Gonçalo, para desespero dos moradores, a antiga colônia de pescadores na Baía de Guanabara, com sua Igreja de mais de 400 anos, se tornou um antro de criminosos fortemente armados que circulam livremente pela orla, impedindo a chegada da polícia tanto por terra como por mar.

Relatórios - Segundo relatórios de inteligência obtidos pelo Jornal O Dia,  Faustão criminoso vem instituindo práticas de milícia no local e oferecendo refúgio a outros foragidos em troca de dinheiro e favores. De acordo com as informações, ele possui forte influência dentro do Comando Vermelho, exercendo a função de tesoureiro da facção e tendo o aval do conselho do grupo para se ater aos meios que julgar necessários para expandir o lucro desta. Em função disso, o criminoso passou a explorar serviços de TV e internet por assinatura no local, incentivar o roubo de cargas em suas zonas de influência e hospedar foragidos.

Dinheiro e poder - A 'partilha' do Salgueiro é antiga e passou a ser feita em função das divisões de áreas que foram feita pelo CV em comunidades da capital e Grande Rio por causa da instalação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP's) no Rio de Janeiro, há treze anos. Mesmo  após esse projeto de Segurança Pública perder força, a partir de 2018, com a retirada de várias comunidades, os traficantes da facção não apenas mantiveram a 'divisão' e a organização, como também passaram a se expandir a outras cidades do interior.   

Ricardo Severo é oriundo do Complexo da Penha, no Rio, e faz toda a intermediação de 'gestão' junto com os dois homens apontados pela polícia como 'chefões' daquelas comunidades na Capital:  Edgar Alves de Andrade, o Doca e Pedro Paulo Guedes, o Pedro Bala ou Urso.

Rabicó, é oriundo do Complexo da Mineira, e há pelo menos 20 anos, se mantém no comando do Complexo do Salgueiro, principalmente pelo grande poderio econômico. Considerado inteligente e bem articulado, ele procura investir o dinheiro do tráfico comprando imóveis e pontos comerciais, entre outros bens. "Por ter muito dinheiro, ele é um dos principais investidores da 'caixinha do Comando Vermelho, que serve para dar suporte as ações da facção", afirmou um policial federal que já participou de investigações no Complexo do Salgueiro.

Empresário - Antônio Ilário montou um sistema de comando tão organizado no Salgueiro a ponto de conseguir administrar a quadrilha, a maior parte do tempo, fora da comunidade, para não correr risco. Até ser preso pela polícia carioca em março de 2008 em Mamanguape, cidade situada a 30  quilômetros de João Pessoa, na Paraíba, ele se fazia passar por empresário e lá administrava uma empresa de reciclagem de lixo e uma oficina mecânica como 'fachada' para ocultar o verdadeiro ofício: o tráfico. Com a condição de um dos mais antigos 'conselheiros do CV e amizades que tem com traficantes de outros estados, Rabicó se, transformou em uma espécie de 'matuto', financiando, com drogas e armas, não apenas as suas comunidades, mas também as que a facção conquista de outras quadrilhas e de milicianos.  

Rede de Proteção e hotel no Salgueiro 

Entre os que pagam pelos serviços de proteção e hospedagem de Faustão está Dalton Luiz Vieira Santana, o DT, acusado de torturar, matar e ocultar o cadáver de sua ex-namorada, a jovem Bianca Lourenço, de 24 anos, na Penha, em janeiro deste ano.

No último dia 20, o jovem Alexandre Carvalho Ribeiro Mota, de 19 anos, foi morto em itaóca, durante um confronto entre a polícia e os comparsas de Faustão. O rapaz foi baleado enquanto voltava de uma pescaria com um amigo, que também ficou ferido, mas passa bem. Segundo familiares, os disparos que acertaram os jovens teriam sido efetuados por elementos fardados que se escondiam na mata. As investigações sobre a morte de Alexandre estão sendo conduzidas pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá.

A ação teve início após a PM ser informada que Faustão estaria reunindo um comboio de homens armados para proteger os Complexos da Alma e do Jóquei, de uma suposta invasão do TCP, em tentativa de resgatar os territórios conquistados pelo CV há 4 meses.  

Ricardo Severo está foragido da Polícia desde 2015. À época o traficante cumpria sentença em regime semi-aberto no Instituto Penal Edgard Costa, em Niterói, mas nunca mais foi visto. Ele é acusado de envolvimento na queda de um helicóptero da PM, em Vila Isabel.

Matérias Relacionadas