Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1551 | Euro R$ 5,5144
Search

Dia Internacional da Juventude: conheça a história de gonçalenses inspiradores que lutam pela cidade

Eles apontam necessidade de criação de políticas públicas voltadas para a juventude

relogio min de leitura | Escrito por *Claudionei Abreu | 12 de agosto de 2021 - 13:55
Luana Mota, 25, e João Pires, 23, são lideranças jovens de São Gonçalo
Luana Mota, 25, e João Pires, 23, são lideranças jovens de São Gonçalo -

Criado por iniciativa da Organização das Nações Unidas (ONU), em 1999, o Dia Internacional da Juventude, celebrado nesta quinta-feira (12), tem como objetivo focar na educação e conscientização dos jovens sobre a responsabilidade que assumem como representantes do futuro do planeta. Em São Gonçalo, diversos projetos e organizações são liderados por jovens e voltados para atender suas demandas na cidade.

Ao longo dos últimos anos, diversas políticas públicas voltadas para fomentar a participação dos jovens no mercado de trabalho e em outros setores da sociedade começaram a ser implementadas no país. Projetos como o Agente Jovem, Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem), Programa de Melhoria e Expansão do Ensino Médio (Promed) e o Programa Universidade para Todos (Prouni) são alguns desses exemplos em âmbito nacional.

Em São Gonçalo, apesar de a legislação que trata de assuntos relacionados à juventude contar com 40 leis municipais, poucas delas tratam de propostas diretas para esse grupo social. De acordo com levantamento de O SÃO GONÇALO com os dados disponibilizados pelo site da Câmara Municipal da cidade, das 40 leis existentes, 26 delas tratam de apenas um projeto: o Projovem. Outras quatro leis tratam sobre assuntos relacionados à comissão especial que foi criada para tratar da Jornada Mundial da Juventude, realizada em 2013, no Rio. 

De 2007 a 2013, a cidade teve 26 leis unicamente voltadas para o Projovem, que dispõem, em maior parte, sobre a estruturação do projeto. Outras leis de destaque que existem na cidade voltadas para a juventude são as leis nº 1017/2019, que institui a semana de orientação profissional para a juventude nas escolas municipais e a nº 025/2019, que cria o prêmio de incentivo a jovens escritores de São Gonçalo. 

Em 2010, por iniciativa do vereador Marlos Costa, foi criado em São Gonçalo o Conselho Municipal da Juventude (Conjuvsg), destinado a ser uma importante ferramenta de atuação dos jovens da cidade. Com participação de integrantes da prefeitura, da câmara municipal e da sociedade civil, o Conjuvsg nasceu como um espaço destinado à discussão de propostas e políticas públicas voltadas para os jovens de São Gonçalo. No entanto, somente em 2018 foi realizada a primeira eleição para escolha dos conselheiros, com mandato de dois anos. Desde então, novas eleições não foram realizadas.

Jovens que lutam pela cidade

Moradora do Bouaçu, Luana Mota, de 25 anos, é bacharel em ciências sociais na UFF e atualmente faz licenciatura na mesma área e afirma que o investimento na qualificação dos jovens é uma saída para solucionar muitos problemas da sociedade.

“Em São Gonçalo, temos uma população muito jovem, com potencial e energia para trabalhar, mas, por outro lado, já tivemos uma média de desemprego acima da média nacional. O poder público não pode discriminar as pessoas no processo de seleção de emprego por conta da idade. Quando vem uma crise, o jovem é o primeiro a ser mandado embora. Precisamos enfrentar esses preconceitos e entender que o jovem não é o futuro da nação, é o presente! Precisamos de investimentos e qualificação nesse momento”, aponta. 

Engajada nas causas sociais, Luana Mota faz parte do movimento Cidade No Feminino, da Câmara Popular de Mulheres, do Fórum de Desenvolvimento Sustentável e Resistência Democrática de São Gonçalo e do coletivo NeurodiverCidades. Ela afirma que a disposição dos jovens é um fator que traz mudanças para a sociedade.

 “Os jovens têm um potencial criativo muito grande e muita energia. Por estar em uma fase menos avançada da vida, está muito disposto a se doar e contribuir com inúmeras causas. O jovem nutre o sonho de realmente o lugar que ele vive estar próximo ao ideal em que acredita e por isso se empenha para que isso aconteça”.

João Vitor Pires, de 23 anos, morador do bairro Coelho, é uma das lideranças cívicas do Movimento Acredito. Estudante de economia na Universidade Federal Fluminense (UFF), ele afirmou que o poder público precisa investir em ações que possam possibilitar acesso ao emprego e à educação para jovens. 

“Muitas vezes o grupo de jovens é somente reduzido ao termo “juventude”, mas a verdade é que há diferenças dentro desse grupo. Jovens que não tiveram tantas oportunidades durante a infância precisam ter mais atenção para que consigam se desenvolver melhor. O que precisamos é de políticas públicas que desenvolvam a questão da empregabilidade e também de políticas públicas que possam capacitar esses jovens para que consigam empregos em diversas áreas, não somente naquelas de baixo valor agregado”, afirma. 

De acordo com João, quando um jovem ocupa um espaço de representatividade, acaba incentivando outros jovens a fazerem suas vozes serem ouvidas. O gonçalense aponta que a participação da juventude é essencial para o processo de formulação de políticas públicas em diversas áreas da sociedade.

“Nós não temos muito jovens em espaços públicos de representatividade atualmente, então eles acabam achando que esses espaços não são para eles e que só quando ficarem velhos poderão ocupá-los. A juventude precisa ser empoderada para entender que precisa ocupar aqueles espaços e que pode, sim, discutir sobre vários assuntos de interesse da sociedade, como educação, meio ambiente, saúde, mobilidade, sem precisar se limitar exclusivamente aquilo que diz respeito à juventude. O futuro precisa conjugar a experiência com a juventude e não pode excluir os jovens desses espaços”, afirma.

Em suas redes sociais, João também compartilha conteúdos com explicações sobre o funcionamento do orçamento público e assuntos relacionados à área de educação e economia. 

Procurada por O SÃO GONÇALO na última segunda-feira (9) e nesta quinta-feira (12), a prefeitura de São Gonçalo não disse quais projetos e políticas públicas estão sendo realizados atualmente para a juventude da cidade. O poder executivo também não comentou sobre a situação atual de funcionamento do Conselho Municipal da Juventude de São Gonçalo (Conjuvsg) até o fechamento da reportagem.

*Sob supervisão de Cyntia Fonseca 

Matérias Relacionadas