Niterói ganha centro de referência para tratamento do Transtorno do Espectro Autista

Instituto Priorit acaba de inaugurar a primeira franquia em Icaraí

Escrito por Redação 11/08/2021 06:47, atualizado em 11/08/2021 08:02
Este é dos principais centros de referência para tratamento do Transtorno do Espectro Autista da América Latina
Este é dos principais centros de referência para tratamento do Transtorno do Espectro Autista da América Latina . Foto: Divulgação

O Instituto Priorit, um dos principais centros de referência para tratamento do Transtorno do Espectro Autista da América Latina, acaba de inaugurar sua primeira franquia em Niterói.

 

Marcelo e Bianca Amaral, casados, pais de dois meninos autistas e sócios da nova franquia do Priorit em Niterói, se uniram à Renata Costa, Fonoaudióloga com especialização em Psicomotricidade, Saúde Mental da infância e do Adolescente, mestranda da UFF em Diversidade e Inclusão e faz parte do Instituto desde a sua fundação, para a abertura do Priorit Niterói.

 

“Eu e minha esposa não temos formação na área. Eu sou publicitário e atuei no segmento por mais de vinte anos. Minha esposa, Bianca, é farmacêutica industrial de formação, trabalhou 12 anos na área de saúde, mas nos últimos 14 anos atuou como empresária em diversos segmentos. Com isso, unimos a nossa sensibilidade de pais com filhos autistas, com a minha visão estratégica e de marketing, com a experiência administrativa da minha esposa, junto com todo o know-how técnico da Renata.” Diz Marcelo Amaral.

 

O Instituto Priorit, que conta com duas unidades no Rio de Janeiro, uma em Copacabana e outra na Barra e 13 anos de experiência e metodologia exclusiva, tem o objetivo de oferecer tratamento multidisciplinar com uma metodologia transdisciplinar, num mesmo espaço, de forma a otimizar e potencializar os resultados terapêuticos em crianças com TEA (transtornos do espectro autista), TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade) e outros Transtornos do Desenvolvimento, priorizando as metas e objetivos unificados, através de Terapias Individuais e Atividades de Grupo, acolhimento e orientação à Família, à Escola e ao Mediador Escolar.

 

Com metodologia própria e de referência em todo o Brasil, o Priorit oferece também diversas opções para trabalhar as questões motoras e as habilidades sociais, com uma proposta lúdica, que consegue aumentar o interesse e, consequentemente, a resposta das crianças e adolescentes. Assim, atividades como capoeira, psicomotricidade, judô, yoga, música, teatro, dança e habilidades sociais, realizadas em pequenos grupos, podem fazer parte do programa individual de intervenção. 

 

As reuniões semanais com toda a equipe, as reuniões de coordenação e de supervisão possibilitam que os objetivos terapêuticos específicos de cada paciente sejam compartilhados por todos os envolvidos no programa. Além disso, o Instituto entende que os pais e a escola são partes fundamentais no processo de tratamento, desta forma o Priorit conta com uma equipe de terapeutas de família, sessões de treinamento parental e um núcleo de Mediação Escolar. Para adolescentes e adultos, o Institudo conta com o NEAP (Núcleo de Emprego Apoiado Priorit) que oferece acompanhamento aos seus pacientes, sua inserção no mercado de trabalho e monitoramento ao longo do processo.

 

 

Pesquisa sobre o aumento de diagnósticos do Transtorno do Espectro Autista (TEA)

 

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresenta uma prevalência relativamente alta na população, aproximadamente 1 a 2% das crianças e adolescentes no mundo apresentam TEA e é maior para o sexo masculino. Esse número está aumentando nos últimos anos, aparentemente, de forma acelerada. Dados das estatísticas norte-americanas do CDC (Central of Disease Control) mostram que a prevalência do TEA aumentou de 1 em cada 150 crianças em 2000-2002, para 1 em 68 crianças durante 2010-2012 e 1 em 59 crianças em 2014, e nos dados do mês de março de 2020, alcançou-se marca de 1 em cada 54 crianças. Isso significa que a incidência do autismo mais do que duplicou em 12 anos, aumentou quase 16% apenas no período de dois anos entre 2012 e 2014, e 9%, um pouco menos, em um período de 6 anos até 2020.

 

Estudos indicam que há pelo menos 4 motivos para explicar este aumento de casos. O é a forma de diagnóstico, pois houve uma mudança e uma melhora nos critérios. O segundo, um maior número de médicos e demais profissionais especializados em TEA, o que facilita o melhor encaminhamento das suspeitas do transtorno. O terceiro, bastante alinhado ao segundo, é a melhor difusão dos conceitos adequados do Transtorno – não é uma doença, não tem cura, possui critérios definidos de forma clínica e observacional, de diagnóstico multidisciplinar centrado na avaliação médica, e que necessita tratamento precoce. E o quarto, maiores recursos apoiando o TEA, na forma de pesquisa e na formação de centros especializados em atendimento de Autismo. Em resumo, a prevalência aumentou e continua aumentando, pois cada vez se compreende melhor este transtorno, os casos de Autismo são melhor identificados e principalmente recebem melhor apoio. Fonte: Site neurologica.com.br

 

Serviço:

Rua Ator Paulo Gustavo (antiga Moreira César), nº 160/ sala 1503 - Icaraí - Niterói - RJ, CEP 24.230-061

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas