Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar R$ 5,1937 | Euro R$ 5,5292
Search

Mãe denuncia racismo contra filha de 2 anos em São Gonçalo

Ataques foram feitos por rede social

relogio min de leitura | Escrito por Claudionei Abreu* | 09 de agosto de 2021 - 17:45
Caso foi registrado na 72ª DP (Mutuá)
Caso foi registrado na 72ª DP (Mutuá) -

A luta contra o racismo, embora seja uma pauta que tenha ganhado força e destaque nos últimos anos, ainda é um grave problema que assola a sociedade brasileira e que precisa ser combatido. Em São Gonçalo, a mãe de uma criança de dois anos precisou ir à delegacia após receber, em sua rede social, diversas ofensas destinadas à sua filha, de apenas dois anos.

Moradora de São Gonçalo, uma psicóloga de 36 anos, que terá o nome preservado para proteger suas filhas, é mãe de duas meninas, de dois e nove anos. Nas redes sociais, ela compartilha diversas conquistas das filhas. A mais recente delas foi com a mais nova, que está começando a falar. Nos vídeos, a pequena esbanja fofura e bom humor e sempre recebe comentários positivos ao pronunciar as primeiras palavras.

Apesar disso, a psicóloga precisou lidar com uma situação difícil na última quinta-feira (5), quando, ao abrir sua caixa de mensagens, recebeu uma série de comentários racistas. O primeiro deles trazia o seguinte comentário: “Ela tem uma raiz de cabelo um pouco dura, né?!”.

A mensagem foi enviada por uma mulher, que, segundo a mãe da criança, é uma conhecida que frequentava a mesma igreja que ela, há dez anos. Nas redes sociais, a agressora se identifica como pedagoga, profissão que atua principalmente com crianças.

Embora não tivessem intimidade, a agressora seguia a psicóloga nas redes sociais e acompanhava suas postagens. As duas nunca se falaram e não trocavam mensagens, até que, naquele dia, a pedagoga decidiu comentar sobre o vídeo publicado na rede social.

"Eu postei um stories brincando com minha filha e essa pessoa respondeu com essa mensagem, do nada, dizendo que elas eram feias e que têm cabelo duro. Ela era da igreja que eu frequento, mas há dez anos ela saiu de lá. O único contato que temos era através da rede social, mas nunca fomos próximas", disse a mãe da criança.

Ao receber a mensagem, a psicóloga respondeu e disse que o cabelo não tinha raiz ruim, e, sim, que era crespo. No entanto, ela continuou recebendo ofensas da pedagoga.

"Se está nas redes sociais eu falo o que quiser e o comentário foi sobre o cabelo, em nenhum momento fui racista. Não vem dar uma de vítima pra cima de mim, ok?", comentou a agressora. Em outro momento, a pedagoga reafirmou seu comentário preconceituoso e também fez ofensas contra a mãe da criança.

Revoltada com as mensagens, a psicóloga procurou a delegacia do bairro Mutuá (72ª DP), em São Gonçalo, onde registrou ocorrência contra a mulher por crime de injúria por preconceito. A mãe da criança afirmou que conversa com a filha mais velha sobre o assunto e sempre tenta transmitir à filha mais nova orgulho de sua cor de pele e do seu cabelo.

"Eu sempre transmito essa mensagem de orgulho pra ela de forma indireta, falando que o cabelo dela é lindo, que a cor de pele dela é linda e o quanto ela é linda. Com a mais velha, além de falar todas essas coisas, consigo conversar melhor e explicar o que é o racismo e que muitas pessoas irão odiá-la ou ofendê-la pela cor de sua pele e pelo seu cabelo", conta a mãe das meninas.

A psicóloga destacou também a importância de denunciar o caso como uma forma de impedir que novos atos desse tipo aconteçam. 

"As pessoas que passam por essas situações, assim como eu estou passando, não podem ter medo, porque racismo é crime! A gente já está no século XXI, então isso precisa acabar! Não podemos deixar de falar e de denunciar, porque só assim vamos parar esses agressores", diz. "Isso também serve para que aqueles que comentem racismo entendam que não vamos nos calar, não vamos mais aguentar esse tipo de agressão".

Autora dos comentários, a pedagoga será identificada, qualificada e intimada a prestar depoimento pela 72ª DP. Ela não retornou os contatos feitos por O SÃO GONÇALO até o fechamento desta reportagem.

*Estagiário sob supervisão de Thiago Soares

Matérias Relacionadas