Motorista de aplicativo é preso e família tenta provar sua inocência

Prisão é injusta, segundo a família

Escrito por Redação 22/07/2021 09:40, atualizado em 22/07/2021 10:44
O homem tem 45 anos e é motorista de aplicativo
O homem tem 45 anos e é motorista de aplicativo . Foto: Reprodução/Internet

A família do motorista de aplicativo José Adriano de Sousa Lima, de 45 anos, vive um pesadelo todos os dias desde o dia 18 de junho. Isso porque, na data em questão, José, que mora no Rio, teria aceitado uma corrida por aplicativo com o destino a Minas Gerais. No meio do caminho, no entanto, ele foi parado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a passageira que estava com ele e que solicitou o carro estava com grandes quantidades de maconha e cocaína dentro de sua mochila. O caso foi o suficiente para que ele e a mulher fossem presos, mesmo com José não tendo nenhum conhecimento das drogas da mulher na mochila dela. 

O caso ganhou notoriedade nas redes sociais depois que a filha de José, a contadora Lorena Zampolli, de 23 anos, relatou a luta que vem travando com a Justiça para inocentar o seu pai na última terça-feira (20). Segundo ela, além de José não ter nenhum conhecimento sobre as drogas na mochila da passageira, ele também não conhecia a mulher e iniciou a corrida com ela pelo aplicativo, ou seja, eles não tinham nenhum vínculo. Com isso, a família afirma que ele foi preso injustamente.

Lorena relatou o caso em seu Twitter. Ela postou uma foto de seu pai e iniciou seu desabafo. "POR FAVOR COMPARTILHEM!!! Meu pai é motorista de app, no dia 18/06 acostumado a pegar corridas longas ele aceitou uma pelo app da @voude99 a passageira estava com duas mochilas com drogas e ele NÃO SABIA, foi parado pela PRF e preso, ele nunca teve qualquer envolvimento c isso. Ele não conhece essa passageira, a gente acha que é fácil provar inocência né? Descobri da pior forma que não é. Dentro da mochila havia cocaína e maconha e itens pessoais da mulher, ela se mantém calada e não presta depoimento e com isso não inocenta ele e meu pai permanece preso (sic)", escreveu a filha de José. 

A jovem continuou seu desabafando falando que não recebe nenhum apoio da empresa de aplicativo para a qual o seu pai trabalha. "Quero deixar claro tb até pra aqueles que trabalham na @voude99 que eles não nos prestaram qualquer apoio jurídico e tb não estão colaborando, só liberam o extrato de corridas do meu pai mediante ofício judicial e o juiz até o momento não expediu o ofício, não liberaram nem mesmo. Pra minha avó que foi lá na sede da 99, dizem q tem uma equipe tratando disso mas eles NUNCA entraram em contato conosco ou com a advogada do meu pai, nem mesmo pediram o número do processo, eu estou vivendo um filme de terror, e agora resolvi expor pra chegar no maior número de pessoas, uma simples quebra de sigilo telefônico e bancário inocentaria meu pai e provaria q ele não conhece a mulher, segundo a advogada é mt raro a justiça fazer isso nesses casos, nem mesmo perícia fizeram no celular dele, eu solicitei que ela então solicitasse a quebra do sigilo, por motivos judiciais eu não posso falar o nome da passageira ou expor fotos dela, mas posso fazer o barulho que for em nome do meu pai, e exatamente isso que vim fazer aqui, ele está sendo tratado como um bandido dentro de um presídio passando por toda uma humilhação por um crime que ele não cometeu, o carro que é meu, foi apreendido e está dentro do pátio e nem isso eu consigo fazer a retirada, além de toda a humilhação temos também inúmeros prejuízos financeiros, deixo minha DM aberta para sanar qualquer dúvida, mas por favor COMPARTILHEM! (sic)", escreveu ela.

Ao final, a jovem compartilha os números do processo do pai e afirma que o homem teve o habeas corpus liminar negado pela Justiça. "Mesmo a advogada solicitando o juiz não solicitou ainda o ofício a @voude99 e também ainda não liberaram acesso ao celular dele (sic)", escreveu ela.

Lorena ainda compartilhou fotos que mostram que junto com as drogas da passageira, com ela foram encontrados um fone de ouvido, um chinelo, produtos de higiene pessoal, roupas e um comprovante de recarga de celular. Ela ainda contou que seu pai vem colaborando com tudo que a Justiça pede e que ele informou sim ser motorista de aplicativo e, inclusive, falou que a corrida da mulher não foi encerrada em seu telefone, mas, mesmo assim, segundo ela, os agentes não olharam o celular dele.

Imagens que Lorena compartilhou nas quais mostram os objetos encontrados com a passageira em questão
Imagens que Lorena compartilhou nas quais mostram os objetos encontrados com a passageira em questão | Foto: Reprodução/Internet
 

"Peço que marquem o @eduardopaes também! Pra que medidas de proteção aos motoristas de aplicativo sejam tomadas aqui no Rio (sic)", finaliza ela.

Ao todo, na mochila da passageira de José foram encontrados 4 quilos de drogas. Os dois foram detidos na hora e encaminhados para um presídio que fica em Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas