Linhas de pipas já deixaram mais de 250 mil clientes da Enel sem energia em 2021

São Gonçalo é top 5 neste ranking

Escrito por Redação 21/07/2021 13:03, atualizado em 21/07/2021 13:51
Veja os dados da distribuidora de energia Enel
Veja os dados da distribuidora de energia Enel . Foto: Reprodução

Com as férias escolares do meio do ano, o índice de pipas no céu subiu bastante e tem ocasionado quedas de energia no Rio. Um levantamento da distribuidora Enel aponta que, nos seis primeiros meses deste ano, mais de 258 mil clientes ficaram sem energia por causa de pipas que atingiram a rede elétrica.

As regiões que lideram o ranking com o maior número de incidências entre janeiro e junho são: Região dos Lagos, Magé e Campos, seguidos por São Gonçalo, Região Serrana, Niterói, Macaé e Região Sul. As informações foram levantadas com base nos polos de atuação da distribuidora, divididos pelas regiões citadas.

Na Região dos Lagos, foram identificados 65.577 clientes impactados entre janeiro e junho de 2021. Em Magé, foram 45.788 e em Campos 42.625 clientes. São Gonçalo, nesse mesmo período, teve 25.643 clientes impactados, enquanto a Região Serrana computa 25.472 e Niterói 22.812. Por fim, Macaé registra 21.250 clientes impactados e a região Sul 9.566.

A interrupção do fornecimento de energia causada por pipas pode ocorrer por diversas razões. Além do risco de rompimento dos cabos, as linhas que ficam enroscadas na rede elétrica provocam desgaste na fiação, podendo ocasionar curtos-circuitos e risco de choque elétrico. Nesses casos, equipes da distribuidora são mobilizadas imediatamente para realizar os reparos necessários e substituir a fiação, a fim de restabelecer o serviço o mais breve possível.

“As interrupções de energia, mesmo que de curta duração, geram grandes transtornos aos clientes, impactando a atividade comercial e o dia a dia das pessoas. Neste sentido, é importante reforçar os riscos de se empinar pipa próximo da rede elétricas e a necessidade de os pais orientarem as crianças e os adolescentes sobre os cuidados necessários”, afirma o responsável por Operação e Manutenção da Enel Distribuição Rio, Rogério Costa.

Cuidados necessários e materiais proibidos

Além das quedas de energia, as pipas podem ser muito perigosas para os jovens. Quem for soltar deve tomar bastante cuidado com a rede elétrica, pois com a linha enrolando nos fios, pode ocasionar uma descarga elétrica. Vale lembrar que materiais metálicos não devem ser utilizados na fabricação da pipa, pois conduzem eletricidade, aumentando a chance de choque elétrico.

O uso do cerol e da linha chilena também é proibido. Segundo a lei ambiental, a utilização do produto conhecido como cerol, feito de uma mistura de cola branca com vidro moído ou lima de ferro, colocado nas linhas das pipas, ou a linha chilena (que utiliza quartzo moído e óxido de alumínio e é 4 vezes mais cortante que a linha com cerol- sendo capaz até de cortar fiação elétrica mais simples), é considerado crime ambiental.

O principal risco que esse tipo de material traz é como causador de acidentes, muitos deles com vítimas fatais. Os principais atingidos são motociclistas e ciclistas que ao passar por algum local em que pessoas estejam soltando pipa com o emprego do produto irregular, corre o risco de ser atingido pela linha na região do pescoço podendo causar ferimentos graves e até levar a morte.

Ainda segundo a lei, o vendedor ou fabricante do produto pode ser preso, além de pagar multa, pois o seu uso se assemelha ao emprego de arma branca, previsto no código penal, podendo ser condenado após o processo com uma pena de mais de cinco anos de reclusão em regime fechado.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas