Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down Euro down
Search

Vacina da Oxford/AstraZeneca tem eficácia contra nova variante

Pfizer e Moderna também são eficazes

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 06 de março de 2021 - 12:22
Imunizante é eficaz contra variante de Manaus
Imunizante é eficaz contra variante de Manaus -

Um levantamento preliminar feito pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca mostra que o imunizante produzido pela farmacêutica e pela universidade britânica contra a Covid-19, tem eficiência contra a nova variante brasileira. Os detalhes da pesquisa ainda não foram revelados, mas o êxito da vacina foi confirmado ao Estadão por pesquisadores que participam do levantamento.

Este é um cenário positivo para o Brasil, tendo em vista que a Fiocruz tem parceria com a Oxford/AstraZeneca para produção de imunizantes. O prognóstico é que sejam entregues ao Programa Nacional de Imunização (PNI) 3,8 milhões de vacinas, ainda neste mês de março. A Fiocruz afirma que 200 milhões de doses serão fabricadas em 2021.

"Os resultados preliminares são bem adequados", declarou um cientista envolvido no estudo reafirmando a não necessidade de fazer adaptações na vacina. Além disso, ele reforçou que os resultados concretos devem sair “muito em breve”.

A AstraZeneca reiterou que estão sendo realizadas pesquisas "para avaliar a resposta imune da vacina contra a variante P.1". Declarou ainda que "os dados serão publicados tão logo estejam disponíveis".

De acordo com a coordenadora dos centros de pesquisa da vacina de Oxford no Brasil, Sue Ann Costa Clemens, o material com os resultados já está pronto e será submetido a uma revista científica. "Acredito que até a semana que vem possamos ter a divulgação pública dos resultados", revelou.

A coordenadora ainda explicou que a testagem foi feita in vitro e in vivo. No primeiro caso, as novas cepas foram mandadas para Oxford, com intuito de os pesquisadores britânicos testarem a resposta provocada pelo imunizante, para avaliar se é capaz de paralisar a variante. Nos testes in vivo, as amostras eram de pacientes que fizeram uso da vacina e que foram contaminados, com objetivo de saber se a cepa de contágio foi a P.1.

Na última segunda-feira, uma pesquisa que foi divulgada on-line, em formato de pré-impressão, na BioRxiv, mostra que as vacinas da Pfizer e da Moderna também são eficazes contra a variante de Manaus.

Os imunizantes contra o Coronavírus têm como direcionamento a proteína Spike do Sars-Cov-2, encarregada de possibilitar a entrada dos vírus nas células. Com possíveis mutações ocorrendo nesta proteína, os imunizantes poderiam perder a eficácia. No entanto, não é o que acontece, de acordo com Flávio Guimarães, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. "Estudos indicam que as vacinas mantêm a eficácia em evitar casos graves da doença e óbitos”, afirmou.

As informações são do Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas