Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down 5,0721 Euro down 5,1927
Search

Após nota de repúdio do Sindspef sobre postagem, secretária de Educação esclarece mensagem

"O intuito era valorizar e não denegrir a imagem dos servidores", diz secretária

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 27 de fevereiro de 2021 - 11:23
Imagem ilustrativa da imagem Após nota de repúdio do Sindspef sobre postagem, secretária de Educação esclarece mensagem

Após ter gerado repercussão nas redes sociais, especialmente entre os servidores do município de São Gonçalo, com uma postagem no Instagram, a servidora pública concursada e secretária municipal de Educação de São Gonçalo, Lícia Damasceno, esclareceu a mensagem (já excluída) e refuta a acusação de que tenha tentado silenciar a categoria.

Na legenda da foto em que aparecia com o marido, Lícia afirmou: "Nós trabalhamos desde cedo como todos os trabalhadores de verdade. Não nos escondemos atrás de concurso público. Essa é a luta de verdade, é a luta de quem acorda cedo e trabalha pelo povo há mais de 20 anos. Somos árvores que dão frutos. As pedradas virão, mas a raiz continua firme. Deus nos abençoe e não desampare ninguém".

O post foi excluído logo em seguida, mas um print acabou circulando nas redes sociais e gerou revolta entre os trabalhadores.

Em nota, a diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos Efetivo de São Gonçalo (Sindspef - SG) repudiou e ressaltou a indignação com os insultos da secretária.

"A sra. secretária dizer que nos escondemos atrás do concurso para não trabalhar é, no mínimo, afirmação caluniosa. E sabendo que tal despautério foi dito sob o peso de 250 mil mortos na pandemia, demonstra insensibilidade, falta de empatia e incapacidade absoluta de liderança junto aos seus pares. Em meio a desafios tão grandiosos, no restabelecimento do “novo normal” e na garantia do acesso pleno à Educação pelos usuários, esse discurso só descontrói e dói, nos insulta, nos entristece", afirma.

Os representantes da categoria também pediram que a secretária fizesse uma retratação pública e imediata e desejaram mais maturidade.

"Exigimos da sra. secretária Lícia Damasceno, que também é servidora concursada que deve ou deveria saber do valor intrínseco da estabilidade no serviço público, retratação pública e imediata junto a todos os seus colegas servidores. Por fim, desejamos que a sra. Lícia Damasceno tenha maturidade em não ceder ao deslumbre ilusório que o cargo proporciona", conclui a nota. 

A O SÃO GONÇALO, por meio de assessoria de imprensa, a secretária explicou que "a postagem sobre os trabalhadores da área educacional teve o intuito de valorizar e não denegrir a imagem dos servidores concursados.

Segundo ela, apesar da estabilidade de função garantida por concurso público, os funcionários da Educação, quase todos concursados, não se furtam de trabalhar de forma integral e dedicada. “Nós trabalhamos desde cedo, como todos os trabalhadores de verdade”, diz trecho da postagem. 

Servidora concursada, Lícia concluiu o texto publicado em rede social afirmando que “Não nos escondemos atrás de concurso público”, justamente para ressaltar o afinco com que atuam os profissionais da Educação, independente da estabilidade conquistada pelo processo seletivo.

A secretária refuta a acusação de que tenha tentado silenciar a categoria e explica que o grupo de trabalho para discutir o retorno das aulas tem o intuito de passar orientações e não é o ambiente mais adequado para debates e discussões.

Por fim, a secretária afirma que tem plena consciência do momento preocupante em função da pandemia do novo coronavírus e lembra que todos os procedimentos para proteção de alunos, funcionários e professores estão sendo adotados para um retorno seguro às salas de aula, sem imposições, e garantindo o trabalho remoto aos profissionais acima de 60 anos e com histórico de comorbidade.

A secretária lembra que a própria Organização Mundial da Saúde (OMS) defende a reabertura das escolas, alerta para a saúde psicológica e emocional dos alunos e profissionais, afirma que o fechamento de escolas só deve ser considerado em locais com intensa transmissão e elevado número de casos e óbitos por covid-19 e lembra que as escolas em todo o mundo não foram associadas a aumentos significativos na transmissão comunitária do novo coronavírus".

Matérias Relacionadas