Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,0840 Euro down 5,1733
Search

Deputado Hugo Leal vai destinar cerca de R$ 500 mil para colônia atingida por incêndio no Gradim

Incidente na Colônia de Pescadores do Gradim aconteceu no último dia 12

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 18 de fevereiro de 2021 - 21:28
Imagem ilustrativa da imagem Deputado Hugo Leal vai destinar cerca de R$ 500 mil para colônia atingida por incêndio no Gradim

Após visitas à Associação de Moradores e Pescadores do Porto Velho e suas Praias (Ampovep), o deputado estadual Coronel Salema retornou à Colônia de Pescadores do Gradim, em São Gonçalo, na companhia do deputado federal Hugo Leal e o presidente da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), Glauco Barradas.

"O Coronel Salema me trouxe aqui para mostrar as necessidades desses pescadores e vamos ouvir deles o que eles querem para podermos definir como vamos ajudar", afirmou Hugo Leal, explicando que tem até o dia 1° de março para apresentar emendas ao texto do Projeto da Lei Orçamentária Anual de 2021 (PLN 28/2020).

Cada parlamentar poderá apresentar emendas individuais impositivas ao Orçamento no total de R$ 16.279.986, divisível em até 25 sugestões, todas de execução obrigatória.

"Não é uma visita para fazer fotos ou prometer o que não podemos cumprir. É uma visita de compromisso", destacou o Coronel Salema, revelando que a seu pedido o deputado federal Hugo Leal pretende destinar cerca de R$ 500 mil para os pescadores da região atingida pelo incêndio do último dia 12 de fevereiro.

"Não podemos reconstruir os imóveis que pegaram fogo pois não podemos colocar verba pública em obra particular, mas podemos construir uma câmara fria para armazenamento do pescado ou um atracadouro, por exemplo. São investimentos que trarão melhorias para esses profissionais", ressaltou Hugo Leal.

Já o presidente da Fiperj levou uma equipe para atender os pescadores e emitir a Declaração de Aptidão (DAP) - documento que identifica os pescadores artesanais e aquicultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptas a realizarem operações de crédito rural ao amparo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

"Com esse documento eles poderão solicitar empréstimo no Banco do Brasil com juros baixos e seis meses de carência. É uma verba para financiar a compra de redes de pesca, motores e outros apetrechos que foram perdidos para o fogo", revelou Glauco Barradas.

Morador do local há mais de duas décadas, o pescador Ailton Vieira Martins, 68 anos, foi um dos que perdeu tudo. "Alguns só usavam os boxes para guardar o material de pesca. Eu usava também como moradia. Além dos meus objetos pessoais, perdi os de trabalho. Meu prejuízo ultrapassou os R$ 35 mil", lamentou Ailton, que costumava ganhar em média R$ 150 por noite com a venda do pescado.

Matérias Relacionadas