Coletivo Mulheres do Salgueiro, de São Gonçalo, faz campanha por doação de banners usados

Material é reciclado e serve de matéria-prima para confecção de eco-bags e outros produtos

Escrito por Redação 10/02/2021 07:16, atualizado em 10/02/2021 09:15
Quem quiser fazer as doações, pode mandar mensagem para o e-mail
Quem quiser fazer as doações, pode mandar mensagem para o e-mail . Foto: Divulgação

Você tem banners usados na sua casa ou na sua empresa? Não jogue no lixo. Além de deixar de fazer o descarte incorreto e proteger o meio ambiente, você vai ajudar um  empreendimento solidário. O Coletivo Mulheres do Salgueiro, de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, está fazendo uma campanha solicitando as doações, nas suas redes sociais, para as pessoas físicas e jurídicas. Os banners são reciclados e viram matéria-prima básica para confecção e venda de bolsas (eco-bags), sacolas, estojos e outros brindes que as Mulheres do Salgueiro produzem para eventos de órgãos públicos e privados. 

Todo material é reciclado
Todo material é reciclado | Foto: Divulgação
 


"Como as doações murcharam desde o início da pandemia, decidimos fazer a campanha em nossas redes sociais para arrecadar os banners usados. Precisamos renovar nosso estoque da matéria-prima para futuras encomendas", explicou uma das fundadoras e coordenadoras do coletivo, a pedagoga Janete Nazareth Guilherme. 

Quem quiser fazer as doações, pode mandar mensagem para o e-mail mulheresdosalgueiro@gmail.com para combinar a entrega. 

Todo material é reciclado
Todo material é reciclado | Foto: Divulgação
 


Histórico - O coletivo Mulheres do Salgueiro é um empreendimento solidário que começou suas atividades em 2002, com a realização de cursos e oficinas de tingimento de roupas e moda em geral para impulsionar a capacidade produtiva das moradoras da comunidade que dá nome ao grupo.

A partir de uma parceria com o Instituto Gênesis, da PUC-RJ, as Mulheres do Salgueiro tiveram noções de empreendedorismo e economia solidára e depois, com o financiamento através de um edital público, elas se capacitaram para transformar a pele de tilápia em couro tingido. 

Em 2006, em outra parceria com uma ONG alemã, elas adquiriram a sede onde ampliaram e realizam suas atividades até hoje, com produção e venda de acessórios femininos (bolsas, cintos, carteiras, braceletes e brincos) confecionados com o couro de tilápia, além de outros itens e brindes promocionais com banners, uniformes e jeans usados. 

É importante destacar também, que além da geração de trabalho e renda, são pautas fundamentais para o grupo desde sua criação: a garantia dos direitos das crianças e das mulheres, do direito à vida e a sustentabilidade ambiental, social e cultural.  

O coletivo é formado atualmente por 17 mulheres entre 27 e 50 anos, de diversas profissões (costureira, professora, secretária e outras) e principalmente moradoras da comunidade do Salgueiro. Além das atividades com as mulheres, o Coletivo tem realizado muitas ações com as crianças (filhos e filhas das integrantes do grupo) por conta do afastamento delas da escola na pandemia que vivemos.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas