Muros da Gávea amanhecem pichados: "Somos democracia"

Revolta é com reunião entre Landim e Bolsonaro

Enviado Direto da Redação
Revolta é com reunião entre Landim e Bolsonaro

Revolta é com reunião entre Landim e Bolsonaro

Foto: Reprodução

Menos de 48h depois do presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, se encontrar com o presidente da República, Jair Bolsonaro, em Brasília, torcedores do clube se revoltaram e picharam os muros da Gávea na madrugada desta quinta-feira (21). Nos dizeres, os torcedores chamam alguns dirigentes de fascistas e afirmam que o Rubro-Negro é clube do povo.

A reação da torcida do Flamengo em relação a reunião de Landim e Bolsonaro, que teve a participação também do presidente do Vasco, Alexandre Campello, e do médico do Flamengo, Márcio Tannure, foi de desaprovação desde o início. Nas redes sociais, muitos criticaram a maneira que Tannure apareceu dando entrevista no Ninho do Urubu, usando máscara e capa que protegia todo seu corpo, e a forma em que ele aparece nas fotos com Bolsonaro, sem fazer uso de nenhum equipamento de proteção individual.

Nas pichações feitas, os torcedores escreveram: "Clube do povo"; "Nós somos democracia"; "Landim Bap fascistas", esta em referência ao presidente do clube e ao vice-presidente de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, que é tido como braço-direito de Landim.

A reunião com a participação dos dirigentes serviu para Flamengo e Vasco conseguir apoio para retornar às atividades. Depois disso, o Rubro-Negro voltou a sua programação normal no Ninho do Urubu, mesmo sem a aprovação da Prefeitura do Rio.

Apesar das críticas, há também uma grande parcela de torcedores que apoie o retorno.

Veja também