Do mesmo bairro de Vinicius Jr, promessa de SG busca oportunidades no futebol

Gabriel Saldanha vive a dura realidade do esporte mas não desistiu do sonho de viver como jogador

Enviado Direto da Redação

Por Rennan Rebello


"Erga essa cabeça, mete o pé e vai na fé": este trecho da música 'Tá Escrito', do grupo de pagode Revelação, além de ser trilha sonora dos amantes do estilo também serve como inspiração e motivação ao gonçalense Gabriel Saldanha, de 20 anos, que ainda tenta buscar seu lugar ao sol no mundo do futebol.


Ele ainda mora no bairro Porto do Rosa, onde foi criado com seu amigo de infância, Vinicius Jr, hoje atacante do Real Madrid após ter sido revelado pelo Flamengo; e busca uma chance dentro das quatro linhas ao mesmo tempo que tenta superar as adversidades do dia a dia.


Atualmente ele treina sozinho para manter a forma quando termina a sua jornada de trabalho em um mercado no Mutuá -  de onde gera renda para sustentar o seu filho, o pequeno Enzo, de quatro meses. Além disso, ele se recupera de uma lesão que sofreu no nariz no final do ano passado e que o tirou dos gramados na última temporada, quando defendia o CAAC Brasil, de Anchieta, clube do subúrbio carioca.


"Hoje em dia penso muito na minha família e principalmente no Enzo pois ter um filho é uma responsabilidade enorme. Um filho muda todo um pensamento, as responsabilidades aumentam e geram aquele incentivo a mais dentro de você. E meu filho significa tudo pra mim. Inclusive, já pensei muitas vezes em desistir mas eu pensava na minha família, na minha companheira e meu filho. E isto gerava uma força dentro de mim para continuar buscando e sonhando alto. Eu sempre digo que o jogador de futebol vira adulto cedo, já que na maioria das vezes tem que enfrentar a distância dos familiares e amigos e ter que passar por cima de muitas coisas para poder conquistar um objetivo, que é se tornar um jogador profissional. Eu quero muito voltar a treinar e ter uma oportunidade para mostrar o meu futebol", disse Saldanha, que atua de segundo volante e já passou pela base dos tradicionais São Cristóvão (2013-2014) e America-RJ (2016) além de ter tido uma experiência jogando pelo Spartax (2017) e Confiança (2018), ambos da Paraíba.


Na época em que Saldanha ainda defendia o alvirrubro de Campos Salles, ele teve a oportunidade de jogar contra seu amigo de infância em um amistoso lá na Gávea. "Em 2016, quando eu ainda atuava no America, joguei contra o Vinicius Jr, em um amistoso e no final da partida, ele ainda me deu um par de chuteiras. "Nós tivemos uma convivência boa (na infância). Mas no decorrer da vida, o tempo foi se passando e cada um foi trilhando os seus devidos caminhos. E Deus honrou a vida dele e fico feliz por isso. Hoje em dia ainda nos falamos quando temos oportunidade, porque ele vive uma vida corrida e eu também", relatou o atleta a reportagem de O SÃO GONÇALO.


Cidadania europeia como alternativa - Além de ter o sobrenome Saldanha, que é português, Gabriel também é descendente de italianos da família Setti, por parte de seu bisavô materno e por isso planeja solicitar a sua cidadania italiana. Então, ele poderá se tornar um cidadão da União Europeia e poderá jogar como um 'jogador comunitário' em clubes europeus sem ter que tirar vagas de atletas estrangeiros, o que pode aumentar as suas chances para tentar 'encurtar' o caminho de seu sonho, que é jogar na Europa.


"Quem tem esse sonho de criança (de ser jogador de futebol), sempre pensa em chegar no topo e em jogar em diversos clubes gigantes da Europa. E comigo não é diferente, e eu tenho o mesmo pensamento de um dia de estar nos grandes europeus. Eu gostaria de jogar na Alemanha, no Borussia Dortmund e no Bayern de Munique porque são clubes que acompanho e gosto muito da forma esses clubes jogam", disse Saldanha, que tem o volante brasileiro Arthur, do Barcelona, como referência para a sua posição.

Veja também