Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar up 5,2350 Euro up 5,4894
Search

John Textor crítica o Nilton Santos: 'Estádio com pista olímpica não é de futebol'

Ele ainda falou que não acha o local ideal para os jogos como mandante do Botafogo

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 23 de junho de 2022 - 18:27
Textor chegou a considerar algumas mudanças no estádio, porém não viu maneiras de executar
Textor chegou a considerar algumas mudanças no estádio, porém não viu maneiras de executar -

John Textor, o acionista majoritário da SAF do Botafogo, falou, em recente entrevista para o ‘Seleção SporTV’ durante essa quinta-feira (23), que enxerga alguns defeitos no Estádio Nilton Santos. Ele fez críticas para a estrutura do local e ainda deixou a entender que não é indicado para o futuro do clube. Ele ainda comparou com o estádio Crystal Palace, onde ele também é acionista na Inglaterra.

"Qualquer estádio construído com uma pista olímpica em volta não é um estádio de futebol. O estádio do Crystal Palace é pequeno, não impressiona muito, mas a torcida está ali em cima. Tem uma energia, é uma maneira de se sentir conectado com o público, isso ajuda os jogadores. Ajuda na experiência de entretenimento dos torcedores, é disso que precisamos para o Botafogo", comentou o empresário.

John Textor ainda comentou que já considerou fazer algumas mudanças no estádio, porém, acredita que seja inevitável. Devido a isto, ele está avaliando alguns terrenos pelo Rio para que possa construir um estádio.

"O custo de conversão do Nilton Santos seria muito alto. Eu quero ver uma estrutura que tenha conexão entre o clube social e o clube de futebol. Uma instalação que tenha o estádio, as categorias de base, a parte social, tudo criando uma energia que impulsiona nossa equipe. É isso que cria um clube bem-sucedido. Estou olhando terrenos, eu diria que essa é minha principal meta no longo prazo", afirma Textor.

Em dezembro de 2021, antes mesmo de Textor comprar a SAF do clube, o Botafogo já tinha fechado um acordo com a Prefeitura do Rio para estender a concessão do Nilton Santos até 2051.

Matérias Relacionadas