Justiça intima 11 pessoas para depor sobre o incêndio no Ninho após denúncia do MP

Ex-presidente do clube é um dos réus

Escrito por Redação 20/01/2021 13:38, atualizado em 20/01/2021 14:35
O incêndio no Ninho do Urubu aconteceu na madrugada do dia 12 de fevereiro de 2019
O incêndio no Ninho do Urubu aconteceu na madrugada do dia 12 de fevereiro de 2019 . Foto: Divulgação/Flamengo

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro listou 11 réus e os intimou a depor em até dez dias sobre o incêndio no CT Ninho do Urubu, que aconteceu em fevereiro de 2019, e que causou a morte de dez atletas da base do Flamengo. Entre os intimados, estão dirigentes do Flamengo, como Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo entre os anos de 2013 e 2018. Também entre os réus, estão funcionários da empresa NHJ, responsável pelos containers, além de um técnico em refrigeração.

Os réus responderão pelo crime de incêndio culposo qualificado pelos resultados morte e lesão grave. Todos eles irão a júri popular, já que não foram enquadrados em homicídio. Se condenados, podem receber uma pena de um ano e quatro meses a seis anos de prisão, em regime aberto ou semiaberto.

O incêndio no Ninho do Urubu aconteceu na madrugada do dia 12 de fevereiro de 2019. A causa foi um curto-circuito em um ar condicionado. As instalações eram utilizadas como dormitório pelos jogadores da base, que não conseguiram fugir e morreram carbonizados. Ainda há duas famílias sem acordo indenizatório com o Flamengo: as de Christian Esmério e a mãe de Rykelmo.

Os intimados a depor são: 

Eduardo Bandeira de Mello (ex-presidente do Fla)

Antonio Marcio Garotti (ex-diretor financeiro do Fla)

Carlos Renato Mamede Noval (atual diretor de transição do Fla)

Marcelo Maia de Sá (ex-diretor de obras do Fla)

Luiz Felipe Almeida Pondé (ex-engenheiro do Fla) Claudia Pereira Rodrigues (diretora da NHJ)

Weslley Gimenes (engenheiro da NHJ)

Danilo da Silva Duarte (engenheiro da NHJ)

Fabio Hilário da Silva (engenheiro da NHJ)

Edson Colman da Silva (técnico de refrigeração)

Marcus Vinicius Medeiros (monitor)

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas