O BICHO PREGUIÇA

GRUPO DE PESQUISA DE DIREITO AMBIENTAL – ROGÉRIO TRAVASSOS

Escrito por Redação 26/11/2021 16:47, atualizado em 26/11/2021 17:45
GRUPO DE PESQUISA DE DIREITO AMBIENTAL – ROGÉRIO TRAVASSOS
GRUPO DE PESQUISA DE DIREITO AMBIENTAL – ROGÉRIO TRAVASSOS . Foto: Divulgação

Existem dias em nossas vidas, que o melhor é não fazer nada. Ficar à toa. Apenas apreciar a natureza, olhar o céu, a paisagem o mar, dentre tantas outras coisas   leves a serem feitas, devagar, lentamente, sem esforço. Digamos que, estamos em um estado de preguiça. Isto acontece vez por outra para uns e, a bem da verdade, quase sempre para outros. 

É Direito
É Direito | Foto: Divulgação
 


Dentre estes outros, um animalzinho preguiçoso destaca-se no meio ambiente. É o chamado bicho preguiça. Este bichinho vive em torno de 40 anos   de idade. Seus movimentos são   lentos, vagarosos, tendo movimentos sempre tranquilos. Trata-se de um mamífero que vive em  regiões de mata no continente americano. Tem   aparência amigável, parece estar sempre sorrindo e por seus  movimentos lentos, torna-se   presa fácil de predadores e de caçadores. 

| Foto: Divulgação
 


Dormem cerca de 18 horas por dia, e por seus   movimentos extremamente lentos tem uma movimentação diária de cerca de 38 metros. O bicho preguiça não é de beber água, e a  água que consome advêm de alimentos que ingere, como também das gotas de orvalho   que encontra nas folhas. 

Sua   alimentação é bem restrita, são animais herbívoros, mas nem toda e qualquer folha lhe serve como   alimentação. Tem preferência   por embaúbas, figueiras e tararanga. A cada 7 ou 8 dias, desce das árvores para fazer suas necessidades fisiológicas. 

As fêmeas dão a luz nas árvores, e os bebês nascem após uma gestação entre 5 e 6 meses,   nascendo com cerca de 250   gramas, abraçando-se imediatamente ao abdômen da   mães através de suas pequenas garras. Os filhotes amamentam-se por cerca de um mês, ficando com   a mãe mais 5 meses, que lhe   ensina neste período as técnicas para comer. 

| Foto: Divulgação
 


Sua maior defesa é a camuflagem, escondendo-se com bastante perfeição entre as árvores, evitando predadores. Tem hábitos solitários, podendo escolher uma área para viver sozinho, escolhendo até uma única árvore para tal. 

São muito comuns no Brasil, sendo das seis espécies encontradas, cinco estão no território brasileiro. Tem a capacidade de girar a cabeça cerca de 270° graus, sem precisar mexer o corpo. É um animal que não está elencado no risco de extinção, mas deve-se ter cautela, tendo em vista o grande desmatamento das florestas.  

Quando se "apaixona", o  bicho-preguiça macho chega perto da fêmea e emite um leve som de amor. Apesar de monogâmicos, após o acoplamento, a preguiça macho   desaparece, deixando a sua   única fêmea cuidando do filhote, até que ele, o filhote, tenha maturidade sexual, o que ocorre   em torno de 4 meses após o   nascimento. Quando isto acontece, a mãe preguiça deixa   para o bebê preguiça, como herança, uma árvore e escolhe outra árvore para morar. 

Bicho preguiça, qualquer semelhança com alguns seres humanos pode ser mera coincidência! 

PROJETO DE PESQUISA DO CURSO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE SALGADODE OLIVEIRA – COORDENAÇÃO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA - CAMPUS NITERÓI  -  TENDO   COMO  COLABORADORES   DISCENTES DO CURSO   –PROFESSOR ORIENTADOR   E   COORDENADOR DO NÚCLEO   DE   PRÁTICA JURÍDICA  –  ROGÉRIO   TRAVASSOS 

DIRETOR DO CAMPUS   UNIVERSO NITERÓI – ANDERSON FREIRE.

Gostou da matéria?
Compartilhe!

Veja também

Mais lidas