Instagram Facebook Twitter Whatsapp
Dólar down Euro down
Search

Após assassinato de homem negro, famosos defendem boicote ao Carrefour

Vídeo que registra os momentos do crime viralizou nas redes

relogio min de leitura | Escrito por Redação | 20 de novembro de 2020 - 14:38
O caso aconteceu na noite desta quinta-feira, 19, véspera do Dia da Consciência Negra
O caso aconteceu na noite desta quinta-feira, 19, véspera do Dia da Consciência Negra -

Após a repercussão de um vídeo onde um segurança e um policial espancam um homem negro até a morte em uma das unidades do supermercado Carrefour, vários famosos se manifestaram nas redes sociais sobre o caso pediram boicoto à rede de supermercados. O caso aconteceu na noite desta quinta-feira, 19, véspera do Dia da Consciência Negra.  

"Carrefour e seu jeito de celebrar o dia da Consciência Negra”, ironizou o ator Hélio de La Peña.

O humorista Rafinha Bastos postou no Twitter informações sobre um protesto na frente da loja onde aconteceu o crime e relembrou o histórico de violência da rede. 

"Vídeo registrado no Carrefour Porto Alegre. O homem negro espancado veio a falecer. Tudo isso no dia da Consciência Negra. Esse é o Brasil que se comove com George Floyd e não percebe que essa merd* acontece todo dia por aqui. O histórico de atrocidades do Carrefour no Brasil inclui ainda o espancamento de cachorro e a ocultação de cadáver com guarda-sol durante o expediente. Tem que boicotar essa m****. E o minimo a se fazer", disse.

O ex-BBB Rodrigo França questionou: "Onde estão os antirracistas e aliados que postam #VidasNegrasImportam? Só vale quando o assassinato é na gringa? Longe?!"

Felipe Neto disse que o boicote não afeta os principais culpados. 

"O que mais me dá ódio é a sensação de não ter o q fazer. Boicotar o Carrefour só vai tirar empregos, prejudicar trabalhadores inocentes. Os chefões continuarão andando de iate e jato particular. Que ódio do cacet*."

Carrefour é convidado a prestar esclarecimentos

O senador Paulo Paim, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal, que é negro e gaúcho, afirmou que não poupará esforços para que haja punição aos autores do crime.

"Ao tempo que apresento minhas sinceras condolências à família do Senhor João Alberto, afirmo que não pouparei esforços para que este crime seja punido e reafirmo que combato firmemente a intolerância e a discriminação de toda espécie. Esta atitude não irá esmaecer nossas conquistas sociais. Com tristeza, recebo há meses notícias da imprensa sobre violência, intolerância e discriminação racial acontecidas nas dependências do Grupo Carrefour. Isto posto, convidei o Grupo Carrefour para participar de reunião ou live a fim de aprofundar o tema, até porque casos como esse não podem ficar sem um debate aprofundado. Informei, inclusive, que ocorrerá uma live hoje com a temática do racismo, da qual eles podem participar. De todo modo, como o debate com o grupo é imprescindível, caso não possam participar hoje, solicitei que indiquem uma data, o quanto antes", disse o senador, em nota.

Matérias Relacionadas