Inocentes de Maricá aposta em Beth Carvalho no retorno dos desfiles na cidade (veja vídeo)

Uma das mais tradicionais agremiações do interior fluminense, escola lançou enredo no Cacique de Ramos

Enviado Direto da Redação
Diretora da agremiação lançou enredo no Cacique de Ramos, no Rio

Diretora da agremiação lançou enredo no Cacique de Ramos, no Rio

Foto: Divulgação- Gilson Barcelos

Uma escola sem fronteiras. A frase resume bem a história da Inocentes de Maricá, uma das mais tradicionais agremiações do interior fluminense. Criada há 16 anos por um grupo de apaixonados sambistas daquela cidade, a escola retomou as atividades com euforia no ano retrasado e se prepara, com todos os cuidados e planejamento, para os desfiles oficiais em Maricá, junto com as co-irmas para o Carnaval de 2020, após onze anos sem esse evento na cidade.

A revitalização dos desfiles em Maricá, esse anos, após a interrupção dessa festa, em 2009, era o estímulo que faltava para a retomada da trajetória vitoriosa da azul e amarela, fundada em 2003 em São José do Imbassaí, em Maricá. Vice campeã, logo no primeiro ano de desfile, em 2004, a escola conquistaria depois dois títulos - o do Grupo de Acesso em 2007, e o do Grupo Principal, em 2008. Embalados pela boa performance, os sambistas da Inocentes não se abateram com o fim dos desfiles na cidade, a partir de 2009, e migraram para o Carnaval de Niterói.


Logo no primeiro ano de desfiles, conquistaram o vice-campeonato, com uma apresentação de 'encher os olhos', na Rua da Conceição, para o enredo 'Aos Inocentes uma lenda o Pajé contou, que na pajelança Unhamangará em Mãe Terra se transformou'. Apesar do campeonato conquistado naquela edição pela Mocidade de Icaraí, uma das mais tradicionais de Niterói, experientes sambistas, na época, apontaram que a azul e amarela de Maricá é quem deveria ter ganho.


A Inocentes voltou a se apresentar muito bem, no ano seguinte, quando levou para a Rua da Conceição o tema 'Do sagrado ao profano com o néctar dos deuses, a Inocentes da um porre de felicidade', de Cláudio de Jesus, o mesmo do ano anterior. Após a conquista do terceiro lugar, a escola encerrou o ciclo na antiga capital do estado e agora, na volta ao 'berço' do samba em Maricá, toca, a pleno vapor, o enredo que vai homenagear a cantora Beth Carvalho. 


O tema em homenagem da histórica cantora, foi lançado no Cacique de Ramos, no Rio, um dos redutos mais tradicionais do samba brasileiro, muito frequentado por ela, na data de aniversário do Rio de Janeiro, no dia 20 passado. Acompanhado da carnavalesca Beth Morgado, do casal de mestre-sala e porta-bandeira e de diretores, o presidente da escola de Maricá, Alexandre Oliveira, lançou o tema “A Inocentes Festeja as Paixões e as Andanças de Beth Carvalho em Maricá”, em uma emocionante tarde. 


Assim como outros 'ilustres', como Darcy Ribeiro (antropólogo, escritor e educador), João Saldanha (jornalista) e a cantora Maysa Matarazzo, Beth Carvalho também tinha o seu 'cantinho' em Maricá. 


'Enredo' - No enredo, Beth Morgado diz que tudo começou numa roda de samba em Ponta Negra, Maricá, onde a cantora conheceu aquele que viria a ser o pai da sua única filha, Luana, o jogador Edson Cegonha. Após o nascimento de Luana, encantada por Maricá, Beth Carvalho comprou um terreno no bairro de Cordeirinho, onde construiu sua casa de praia à beira mar. As feijoadas de Beth tinha presenças 'ilustres', como Zeca Pagodinho, D. Ivone Lara, o grupo Fundo de Quintal, Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila, Noca da Portela, entre outros. 


E é exatamente a partir da trajetória  de Beth, com suas paixões pelo samba, pelo Botafogo, e músicas eternas, que a Inocentes quer mostar que continua forte e unida no retorno dos desfiles das escolas de Marica, como nos velhos tempos. 

Veja também